MÉDICOS E HOSPITAIS COMEÇAM A ADOTAR A ESPIRITUALIDADE

Há uma revolução em curso na medicina que mudará para sempre a forma de tratar o paciente. Médicos e instituições hospitalares do mundo todo começam a incluir nas suas rotinas de maneira sistemática e definitiva a prática de estimular nos pacientes o fortalecimento da esperança, do otimismo, do bom humor e da espiritualidade.
O objetivo é simples: despertar ou fortificar nos indivíduos condições emocionais positivas, já abalizadas pela ciência como recursos eficazes no combate a doenças. Esses elementos funcionariam, na verdade, como remédios para a alma – mas com repercussões benéficas para o corpo. No Brasil, a nova postura faz parte do cotidiano de instituições do porte do Instituto do Coração (InCor), em São Paulo, da Rede Sarah Kubitschek e do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Rio de Janeiro, três referências nacionais na área de reabilitação física. Nos Estados Unidos, o conceito integra a filosofia de trabalho, entre outros centros, do Instituto Nacional do Câncer, um dos mais importantes pólos de pesquisa sobre a enfermidade do planeta, e da renomada Clínica Mayo, conhecida por estudos de grande repercussão e tratamentos de primeira linha.

A adoção desta postura teve origem primeiro na constatação empírica de que atitudes mais positivas traziam benefício aos pacientes. Isso começou a ser observado principalmente em centros de tratamento de doenças graves como câncer e males que exigem do indivíduo uma força monumental. No dia-a-dia, os médicos percebiam que os doentes apoiados em algum tipo de fé e que mantinham a esperança na recuperação de fato apresentavam melhores prognósticos. A partir daí, pesquisadores ligados principalmente a essas instituições iniciaram estudos sobre o tema.

Hoje há dezenas deles. Um exemplo é um trabalho publicado na edição da revista científica BMC Câncer sugerindo que o otimismo é um fator de proteção contra o câncer de mama. “Verificamos que mulheres expostas a eventos negativos têm mais risco de contrair a doença do que aquelas que apresentam maiores sentimentos de felicidade e positivismo”, explicou Ronit Peled, da Universidade de Neguev, de Israel, autor da pesquisa. Na última edição do Annals of Family Medicine – publicação de várias sociedades científicas voltadas ao estudo de medicina da família – há outra mostra do que vem sendo obtido. Uma pesquisa divulgada na revista revelou que homens otimistas em relação à própria saúde de alguma forma ficaram mais protegidos de doenças cardiovasculares. Os cientistas acompanharam 2,8 mil voluntários durante 15 anos. Eles constataram que a incidência de morte por infarto ou acidente vascular cerebral foi três vezes menor entre aqueles que no início estavam mais confiantes em manter uma boa condição física. Provas dos efeitos da adoção da espiritualidade na melhora da saúde também começaram a surgir. Nos estudos sobre o tema, a prática aparece associada à redução da ansiedade, da depressão e à diminuição da dor, entre outras repercussões.

A partir de informações como essas, os cientistas resolveram identificar o que levava a esse impacto. Chegaram basicamente a duas razões. Uma é de natureza comportamental. Em geral, quem é otimista, tem esperança e cultiva alguma fé costuma ter hábitos mais saudáveis. Além disso, essas pessoas seguem melhor o tratamento. “Uma postura positiva leva a gestos positivos. Os pacientes se cuidam mais, alimentam-se bem, fazem direito a fisioterapia, mesmo que ela seja dolorosa”, explica a clínica geral carioca Cláudia Coutinho.

A outra explicação tem fundamento biológico. Está provado que a manutenção de um estado de espírito mais seguro e esperançoso desencadeia no organismo uma cadeia de reações que só trazem o bem. “Se o paciente é otimista, encara um problema de saúde como um desafio a ser vencido. Nesse caso, as alterações ocorridas no corpo poderão ser usadas a seu favor”, explica o pesquisador Ricardo Monezi, do Instituto de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo. O bom humor, por exemplo, é capaz de promover o aumento da produção de hormônios que fortalecem o sistema de defesa, fundamental quando o corpo precisa lutar contra inimigos. Além disso, o riso provoca relaxamento de vários grupos musculares, melhora as funções cardíacas e respiratórias e aumenta a oxigenação dos tecidos.

É esse arcabouço de informações que permite hoje o uso, na prática, da espiritualidade, do otimismo, da esperança e do bom humor como recursos terapêuticos dentro da medicina. Nos Estados Unidos, por exemplo, pesquisadores da Universidade do Alabama preparam-se para começar a aplicar um tratamento batizado de “terapia da esperança”. O sistema consiste em ajudar os pacientes a construir e a manter a esperança diante da doença. “O primeiro passo é auxiliá-los a encontrar um objetivo importante que dê sentido a suas vidas. Depois, aumentar a motivação para alcançá-lo e orientá-los sobre os caminhos a serem seguidos”, explicou à ISTOÉ Jennifer Cheavens, da Universidade de Ohio e participante do grupo que desenvolveu a novidade.

Desde que recebeu o diagnóstico de câncer no intestino, no ano passado, a consultora de marketing carioca decidiu que manter o bom humor seria sua grande arma. “Claro que em alguns momentos eu fiquei triste. Mas resolvi que não me deixaria abater e que continuaria a rir muito”, lembra ela, autora do livro Câncer: sentença ou renovação?

Essa construção é feita com base em técnicas usadas na terapia cognitivo-comportamental, cujo objetivo é treinar o indivíduo a pensar e a agir de forma diferente para conseguir lidar de modo mais eficiente diante de condições adversas. O treinamento é feito com duas sessões semanais realizadas durante dois meses. A terapia será usada em portadores de deficiências visuais e nas pessoas responsáveis por seus cuidados. “Acreditamos que ela ajudará muito na redução da depressão e de outros problemas associados à perda da visão. Os pacientes ficarão mais motivados a lutar contra as dificuldades e a participar dos trabalhos de reabilitação”, explicou à ISTOÉ Laura Dreer, professora do departamento de oftalmologia da Universidade do Alabama, nos EUA.

No Brasil, a inclusão da ferramenta na prática médica está mudando a rotina dos hospitais. No Instituto de Ortopedia, no Rio de Janeiro, por exemplo, o trabalho médico é acompanhado pelo suporte psicológico, dedicado especialmente a fortalecer uma atitude mais positiva. O trabalho, claro, não é simples. Os pacientes costumam ser vítimas de traumas medulares ocorridos em situações como acidentes ou quedas. De uma hora para outra, têm a vida totalmente limitada. “Por isso, precisamos ajudá-los a enfrentar a nova situação. Eles têm de passar por uma reabilitação física e emocional”, explica a psicóloga Fátima Alves, responsável pelo grupo. E quem faz isso usando o otimismo e a esperança como armas sai ganhando. “Mostramos principalmente aos mais descrentes que a postura positiva no enfrentamento da doença é um remédio”, afirma Tito Rocha, coordenador da unidade hospitalar do instituto. Em breve, eles abrirão um grupo para incentivar o cultivo da espiritualidade pelos doentes.

Talvez o símbolo mais emblemático do fim do preconceito da medicina ocidental contra questões relativas à emoções e espiritualidade seja o que está acontecendo na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), a mais tradicional do País. A instituição sediou um evento para mostrar aos profissionais de saúde a importância de recursos como a espiritualidade e o bom humor na recuperação de pacientes. O curso foi ministrado pelo geriatra Franklin dos Santos, professor de pós-graduação da disciplina de emergências médicas da universidade. No programa, houve um bom espaço para ensinar os médicos e enfermeiros a usarem essas ferramentas. “Discutimos como isso deve ser aplicado na prática”, diz o médico, que tem dado palestras pelas escolas de medicina do País inteiro.

Nos Estados Unidos, também há um esforço para treinar os profissionais de saúde. Só para se ter uma idéia, o Instituto Nacional de Câncer americano criou uma espécie de guia para orientar médicos, enfermeiros e psicólogos sobre como usar a espiritualidade do paciente a seu favor. Todo esse interesse é o sinal mais patente de que a revolução vai durar. Por isso, ninguém deve se surpreender se quando chegar ao consultório médico for indagado sobre suas condições de saúde, obviamente, mas também sobre sua relação com a espiritualidade ou disposição de esperança.

“Questões como essas devem começar a ser cada vez mais levantadas”, defende Brick Johnstone, professor de psicologia médica da Universidade Missouri-Columbia, nos EUA.

FONTE: REVISTA ISTO É – EDIÇÃO 2025
ADRIANA PRADO /GREICE RODRIGUES E CILENE PEREIRA

Pesquisador brasileiro descobre proteção contra Dengue, Zika e outros mosquitos

Segundo um pesquisador de Florianópolis, basta tomar algumas gotas diárias para que o mosquito nem se aproxime!

propolis-zika-dengue - To no Cosmos

O apiterapeuta holístico, Gilvan Barbosa Gama.

Muitos dirão que se ninguém divulga é porque é mentira. Porém ninguém divulga porque não há interesse. Essa é informação é bastante antiga, desde que o biólogo mineiro vem afirmando que consumir própolis é bom para evitar não só a dengue, como também a malária.

A própolis é barata e não enriquece ninguém, as indústrias farmacêuticas ganham fortunas com remédios para amenizar os sintomas da dengue, a Johnson ganha fortunas vendendo o Off, que é repelente de insetos..

O biólogo Gilvan Barbosa Gama, de Florianópolis, explica como usar a própolis contra a dengue.

Segundo ele, a própolis exala na sudorese dois dos seus princípios ativos (flavona e vitamina B) que repelem os insetos.

Própolis é uma cera produzida pelas abelhas a partir cascas, resinas e botões de flores. Sua composição: além das vitaminas do complexo B, C, H e O, a própolis também possui em sua composição a Flavonóides, galangia, resinas com bálsamo, cera e pólen.

O mel é visto como um alimento de infinitas propriedades.

A tintura de Própolis na prevenção aos mosquitos da dengue, deve ser ingerida da seguinte forma:

Adultos: de 30 a 40 gotas diluídas em água (ausente de cloro). Um copo a cada 6hs.

Crianças: crianças de 0 a 10 anos deverão tomar a metade do peso corporal em gotas diluídas em água sem cloro (quantidade a critério).

Gilvan alerta, para não esquecer de fazer o teste ALÉRGICO para ver se quem vai tomar a própolis não é alérgico a ela. É muito rara esta sensibilidade mas pode ocorrer.

Caso queira trocar a água sem cloro pela água de coco, é uma excelente alternativa.

Gilvan Barbosa Gama, ainda disse: “Vou arriscar o meu pescoço com mais  uma informação que só terá crédito científico daqui a algum tempo,isso se houver algum infectologista lente e catedrático, respeitável no meio científico, que tenha coragem o bastante para fazer um ensaio terapeutico com o extrato de própolis das abelhas  concentrado a 45% em relação ao vírus Ebola. Tal teste poderia ser “in vitro”para posteriormente ser usado em primatas e finalmente em humanos.”

Fontes: Cura Pela Natureza / Leopoldinense

Curiosidade do Cosmos: A palavra “PRÓPOLIS” vem do grego “PRO (em favor de)”, e “POLIS (cidade)”. Em favor da cidade?

O Eletromagnetismo do Coração: cientistas apontam que o coração pensa e irradia

“O coração é também o primeiro órgão formado no útero. O resto vem depois”. Recentemente, neurofisiologistas ficaram surpresos ao descobrirem que o coração é mais um órgão de inteligência, do que (meramente) a estação principal de bombeamento do corpo.

Mais da metade do Coração é na verdade composto de neurônios da mesma natureza daqueles que compõem o sistema cerebral. Joseph Chilton Pearce-, autor de A biologia da Transcendência, chama a isto de ”o maior aparato biológico e a sede da nossa maior inteligência”.

O coração também é a fonte do corpo de maior força no campo eletromagnético. Cada célula do coração é única e na qual não apenas pulsa em sintonia com todas as outras células do coração, mas também produz um sinaleletromagnético que se irradia para além da célula.

 

Um EEG que mede as ondas cerebrais mostra que os sinais eletromagnéticos do coração são muito mais fortes do que as ondas cerebrais, de que uma leitura do espectro de freqüência do coração podem ser tomadas a partir de três metros de distância do corpo … sem colocar eletrodos sobre ele!

A freqüência eletromagnética do Coração produz arcos para fora do coração e volta na forma de um campo saliente e arredondado, como anéis de energia. O eixo desse anel do coração se estende desde o assoalho pélvico para o topo do crânio, e todo o campo é holográfico, o que significa que as informações sobre ele podem ser lidas a partir de cada ponto deste campo.

O anel eletromagnético do Coração não é a única fonte que emite este tipo de vibração. Cada átomo emite energia nesta mesma frequência  A Terra está também no centro de um anel, assim é o sistema solar e até mesmo nossa galáxia … e todos são holográficas.

Os cientistas acreditam que há uma boa possibilidade de que haja apenas um anel universal abrangendo um número infinito e interagindo dentro do mesmo espectro. Como os campos eletromagnéticos são anéis holográficos, é mais do que provável que a soma total do nosso Universo esteja presente dentro do espectro de freqüência de um único anel.

Isto significa que cada um de nós está ligado a todo o Universo e como tal, podemos acessar todas as informações dentro dele a qualquer momento. Quando ficamos quietos para acessar o que temos em nossos corações, nós estamos literalmente conectados à fonte ilimitada de Sabedoria do Universo, de uma forma que percebemos como “milagres” entrando em nossas vidas.

Quando desconectamos e nos desligamos da sabedoria inata de amor do Coração, baseado nos pensamentos, o intelecto refletido no ego assume o controle e opera independentemente do Coração, e nós voltamos para uma mentalidade de sobrevivência baseada no medo, ganância, poder e controle.

Desta forma, passamos a acreditar que estamos separados, a nossa percepção de vida muda para uma limitação e escassez, e temos que lutar para sobreviver. Este órgão incrível, que muitas vezes ignoramos, negligenciamos e construímos muros ao redor, é onde podemos encontrar a nossa força, nossa fé, nossa coragem e nossa compaixão, permitindo que a nossa maior inteligência emocional guie nossas vidas.

Devemos agora mudar as engrenagens para fora do estado baseado no medo mental que temos sido ensinados a acreditar, e nos movermos para viver centrados no coração. Para que esta transformação ocorra, é preciso aprender a meditar, “entrar em seu coração” e acessar a sabedoria interior do Universo.

É a única maneira, é O Caminho.A medida que cada um de nós começa esta revolução tranquila de viver do Coração, vamos começar a ver os reflexos em nossas vidas e em nosso mundo.

Esta é a forma como cada um de nós vai criar uma mudança no mundo, criar paz, criar harmonia e equilíbrio, e desta forma, vamos todos criar o Paradigma do Novo Mundo do Céu na Terra.”

Por Rebecca Cherry

fonte paraiba

OS 4 DONS DAS PESSOAS ALTAMENTE SENSÍVEIS (PAS)

Quando se está em minoria contra a maioria, os primeiros sentimentos que aparecem são desvantagem e medo. Por que eu vejo as coisas de forma diferente? Por que sofro mais do que o resto? Por que encontro alívio em minha própria solidão? Por que vejo e sinto coisas que os outros muitas vezes não conseguem?

Ser parte dos 20% da população que se reconhece como uma pessoa altamente sensível (PAS) não é uma desvantagem, nem um rótulo de “diferente”. É bem possível que ao longo de sua vida, especialmente durante sua infância, você esteve bem consciente dessa distância emocional, e como às vezes tinha a sensação de viver em uma bolha de alienação e solidão.

“A alta sensibilidade é um dom, uma ferramenta que lhe permite aprofundar e simpatizar mais com as coisas. Poucas pessoas têm a capacidade de chegar a este ponto de aprendizagem vital.”

Foi Elaine N. Aron que no início dos anos 90, investigando a personalidade introvertida, explicou em detalhes as características de uma nova dimensão não descrita antes, e que refletia a realidade social: a das pessoas altamente sensíveis, pensativas, empáticas e emocionalmente reativas.

Se este for o seu caso, se você se identificar com os traços que a doutora Aron escreveu em seu livro “The Highly Sensitive Person”, é importante que você também se convença de que a alta sensibilidade não é uma razão para se sentir estranho ou diferente. Pelo contrário, você deve se sentir sortudo por ter estes quatro presentes.

1. O dom do conhecimento emocional

 

Desde a infância, a criança com alta sensibilidade vai perceber aspectos de sua vida diária que irão oferecer um mix de angústia, contradição e curiosidade fascinante. Seus olhos irão captar aspectos que nem mesmo os adultos levam em conta.

Aquele olhar de frustração em seus professores, a expressão preocupada em sua mãe … ser capaz de perceber coisas que as outras crianças não veem, e, portanto, ensinadas desde cedo que a vida às vezes é difícil e contraditória.

“O conhecimento das emoções é uma arma de muito poder. Leva-nos mais perto das pessoas para que as entendamos, mas, por sua vez, também nos torna mais vulneráveis ​​à dor.”

A sensibilidade é como uma luz que resplandece, porém nos torna mais vulneráveis ​​ao comportamento dos outros, mentiras, enganos, ironia … “Você leva tudo muito a sério!” muitos te dizem, “Você é muito sensível!”, outros comentam.

E é verdade, mas você é o que é. Um dom exige uma grande responsabilidade, seu conhecimento sobre as emoções também vai exigir que você saiba se proteger. Saiba se cuidar.


2. O dom de desfrutar a solidão

Pessoas altamente sensíveis encontram prazer em seus momentos de solidão. São ansiosas para realizar suas tarefas, seus hobbies. São pessoas criativas que gostam de música, leitura … E, embora isso não signifique que não desfrutam da companhia dos outros, é só na solidão que encontram mais satisfação.

“Pessoas altamente sensíveis não têm medo da solidão. É nesses momentos que podem se conectar mais de perto com elas mesmas, com seus pensamentos, livre de apegos, gravatas e olhos curiosos.”


3. O dom de uma existência do coração

“Alta sensibilidade é viver do coração. Ninguém vive mais intensamente o amor, ninguém sente mais prazer com pequenos gestos diários, como a amizade, carinho …”

Ao falar sobre pessoas altamente sensíveis, elas são frequentemente associadas com sofrimento. Tendência para depressão, tristeza, sentimento de vulnerabilidade a estímulos externos, ao comportamento das pessoas. No entanto, há algo que muitos não sabem:poucas emoções são vivenciadas com tanta intensidade como amar e ser amado …

E não falo apenas de relações afetivas. A amizade, o carinho cotidiano, ou o simples ato de experimentar a beleza de uma pintura, uma paisagem ou uma melodia, é uma experiência intensa para uma pessoa altamente sensível. Enraizada de seu próprio coração.


4. O dom de crescimento interior

 

soledad

A alta sensibilidade não tem cura. Você nasce com ela, com essa peculiaridade, com esse dom que já pode ser claramente visto desde que é uma criança muito pequena. Suas perguntas, sua intuição, sua tendência perfeccionista, o seu limiar de dor física, o seu desconforto com luzes ou odores fortes, sua vulnerabilidade emocional …

Não é fácil viver com esse dom. No entanto, uma vez que você reconhece o que ele é e o que pode te proporcionar, precisa aprender a administrar muitos detalhes. Você não deve deixar que as emoções negativas te oprimam.

Você também deve saber que os outros seguem um ritmo diferente, eles não têm o seu limite emocional. Que não viverão certas coisas com mesma intensidade que você, porém isso não significa que te amam menos. Respeite-os, entenda-os. Respeite a si mesmo.

“Uma vez que tiver descoberto o seu próprio eu e suas habilidades, encontre seu equilíbrio e promova o crescimento pessoal. Você é único e vive do coração. Siga em paz, em segurança e seja feliz.”

 

___

Traduzido pela equipe de O Segredo

Fonte: La Mente es Maravillosa

Meditação pode proteger o cérebro dos sinais do envelhecimento, aponta estudo

Além de melhorar o bem-estar físico e emocional, a prática pode ser uma maneira eficaz de prevenir doenças neurodegenerativas como demência, Alzheimer e Parkinson

fonte: Carolyn Gregoire –  planetasustentavel

Meditar faz bem para o cérebro. Uma nova onda de pesquisas associa a antiga prática a vários benefícios cognitivos, de mais atenção e foco à redução dos sintomas de ansiedade e depressão a melhor controle cognitivo e funcionamento executivo.

Segundo um novo estudo do Centro de Mapeamento do Cérebro da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (UCLA), a meditação também pode proteger o cérebro do envelhecimento. Pesquisadores da UCLA e da Universidade Nacional da Austrália descobriram que os cérebros de pessoas que meditam há muitos anos são menos afetados pelo envelhecimento que os daqueles que não meditam.

O declínio do cérebro começa aos 20 anos, e o órgão continua a diminuir de volume e peso ao longo da vida. Além de melhorar o bem-estar físico e emocional a qualquer altura da vida, a meditação pode ser uma maneira eficaz de prevenir doenças neurodegenerativas como demência, Alzheimer e Parkinson, assim como adiar o declínio cognitivo que vem com a idade. A estratégia é gratuita e não tem efeitos colaterais.

O novo estudo aprofunda uma pesquisa realizada pela mesma equipe em 2011, que mostrou que pessoas que meditam mostram menos atrofia relacionada ao envelhecimento na massa branca do cérebro, material que compõe cerca de metade do órgão e é composto de fibras nervosas usadas pelo cérebro para se comunicar.

No novo estudo, os pesquisadores observaram a ligação entre a meditação e a preservação de massa cinzenta, o tecido onde ocorre a cognição e onde são guardadas as memórias. Eles examinaram os cérebros de 100 participantes, 50 dos quais meditavam havia 20 anos em média e outros 50 que não meditavam. Ambos os grupos eram compostos por 28 homens e 22 mulheres de 24 a 77 anos.

Os cérebros dos participantes foram escaneados com ressonância magnética. Os dois grupos apresentaram diminuição de massa cinzenta por causa da idade, mas ela era menor entre os que meditavam. Em outras palavras, aparentemente a massa cinzenta ficou mais bem preservada.

“Entre os adeptos da meditação, essa relação entre perda de massa cinzenta e idade não era tão pronunciada”, disse Florian Kuth, co-autor do estudo, ao The Huffington Post,. “Surpreendentemente, ela não era tão pronunciada em várias regiões do cérebro. Esperávamos ver isso só em algumas pequenas regiões… mas o que vimos foi o cérebro quase inteiro. Foi uma grande surpresa”.

Os resultados não provam causalidade – personalidade, estilos de vida e diferenças genéticas podem ser parte da explicação –, mas são promissores. O próximo passo seria um estudo longitudinal acompanhando os cérebros de um grupo de meditadores e não-meditadores ao longo de vários anos, para examinar as mudanças que ocorrem como resultado direto de anos de meditação, disse Kuth.

Numa época em que os americanos estão vivendo cada vez mais, mas sofrendo de altos índices de doenças degenerativas como Alzheimer, a pesquisa é um lembrete importante de que a meditação pode ter impacto de longo prazo no cérebro.

“Se esses resultados forem replicáveis, vai ser algo importante”, disse Kuth. “Poderia ter um impacto enorme”.

A pesquisa foi publicada online na revista Frontiers in Psychology.

 

 

Estudo científico encontra primeira prova de que existe vida depois da morte

1

O ser humano é dotado de uma inteligência que lhe permitiu grandes progressos ao longo de sua história, mas também lhe deu a consciência de sua própria mortalidade – seu fim inexorável, aonde suas invenções e avanços não podem chegar. Pelo menos, foi nisso em que se acreditou até o momento. No entanto, um ambicioso estudo científico realizado por pesquisadores da Universidade de Southampton encontrou a primeira prova de que existe vida depois da morte. Essa descoberta, que fala sobre um suposto estado de consciência, após cessarem as funções do cérebro, pode começar a mudar todas as certezas que tínhamos sobre a misteriosa passagem da vida para a morte.

UM DOS TESTEMUNHOS MAIS IMPACTANTES FOI O DE UM HOMEM DE 57 ANOS, QUE DESCREVEU TER VISTO OS MÉDICOS QUE O REANIMAVAM DE FORA DO SEU CORPO

A pesquisa foi baseada em dois mil casos de pessoas que sofreram paradas cardíacas, e observou que 40% dos que sobreviveram relataram ter experimentado alguma consciência entre o momento de sua morte clínica e o reinício do funcionamento do coração. Um dos testemunhos mais impactantes foi o de um homem de 57 anos, que descreveu ter visto os médicos que o reanimavam de fora do seu corpo – e certos detalhes do depoimento foram confirmados pelos profissionais que o atenderam enquanto ele estava clinicamente morto. Neste e em muitos outros casos ocorreu o fato surpreendente de a consciência ter se mantido por, no mínimo, três minutos depois de o coração parar, enquanto o cérebro costuma morrer após 20 ou 30 segundos.O diretor de pesquisa, Sam Parnia, explicou que muitas outras pessoas podem ter sido testemunhas diretas desse fato, porém, por mais estranho que pareça, o teriam atribuído a uma ilusão. Esse estudo abre caminho para futuras investigações, que poderão dar novas revelações sobre a transição da vida para a morte.

 

fonte http://www.seuhistory.com

Viagem Astral

10377985_740027309404787_6962111426264427200_n10377985_740027309404787_6962111426264427200_nViagem Astral

Jorge L Rodrigues

A viagem astral ou desdobramento astral é quando a alma sai consciente do corpo físico durante o sono ou os sonhos. Na verdade todas as pessoas ao dormirem deixam o seu corpo físico no leito e saem com o seu corpo astral para repetir tudo aquilo que fizeram durante o dia. Geralmente não se lembram destas experiências devido a inconsciência, pois como já sabemos usamos apenas uma parte mínima do nosso potencial, estando com uma gigantesca parte totalmente adormecida.
Todo homem é formado por um trio de Corpo, Alma e Espírito. O corpo físico é este que conhecemos, construído de matéria física, que se alimenta de sólidos, líquidos e gases. A alma ou corpo astral é o intermediário entre a matéria e o espírito. E o espírito é o nosso real Ser, o que de mais elevado existe.

CORDÃO DE PRATA
O cordão de prata é um corpo fluídico na forma de elástico, que liga o corpo astral ao corpo físico. Tem este nome devido a alta vibração de suas partículas fluorescentes geralmente nas cores prateadas.
Durante o dia o corpo astral, com as agitações, emoções, as atividades e os impulsos, desgasta o corpo físico até que as células se revoltam provocando o cansaço e o sono. O corpo astral não necessita de repouso.

E durante o sono, quando se acha em relaxamento total, ele abandona o corpo físico, ficando ligado apenas pelo cordão de prata. Nestas condições geralmente vai repetir tudo o que fez durante o dia ou então visitar outros lugares, cidades, países ou mundos do espaço infinito, estando ainda ligado pelo cordão de prata.A morte física é o rompimento do cordão de prata que se dá quando o espírito abandona a matéria.
A própria Bíblia em Eclesiastes: 12/6-7 mostra claramente o cordão de prata.
“Antes que se quebre a cadeia de prata, e se despedace o copo d’ouro, e se despedace o cântaro junto a fonte, e se despedace a roda junto ao poço.”
“E o pó volte a terra, como era e o espírito volte a Deus, que o deu.”

 

Mas pode ficar tranqüilo que isto nunca acontece durante a projeção astral. Não tenha medo, porque não há razão nenhuma para recear. A viagem astral é bastante normal e sinceramente não há palavras para descrever as maravilhas das viagens fora do corpo.

MUNDOS SUPERIORES
O nosso corpo físico, juntamente com tudo que é material, se encontra na terceira dimensão. No entanto, a nossa alma está na quarta, que é o tempo ou o mundo astral. Este mundo é uma réplica do mundo físico e tudo que tem de um lado, tem o seu correspondente no outro. E tudo o que existe no mundo físico teve a sua origem anteriormente no plano astral. Os nossos próprios pensamentos, memórias, emoções,.. estão na quarta dimensão e em nada tem a ver com o mundo material.
O corpo astral é um organismo vivente que possuí maravilhosos sentidos pelos quais podemos fazer investigações nos mundos superiores.

CIÊNCIA COMPROVA A VIAGEM ASTRAL
A viagem astral, desdobramento astral, ou projeção psíquica, sempre foi conhecida pelos místicos, santos e ocultistas desde a mais remota antigüidade. Na gloriosa civilização egípcia por exemplo, o corpo astral era representado por um pássaro chamado KA, que de tempos em tempos visitava o corpo mumificado. Atualmente, nos modernos estudos de parapsicologia a viagem astral é conhecida como Out-Of-Body Experience. Em todo o mundo, principalmente na Rússia e nos Estados Unidos, há um interesse muito grande nestes estudos, e inclusive existem universidades especializadas neste ramo fazendo parte de pesquisas consideradas secretas. Na Universidade de Virgínia, por exemplo, foram realizadas experiências extra-corpórea, totalmente controladas em laboratório, com o Dr. Robert Moroe, que chegou a publicar alguns livros mostrando os extraordinários resultados.

 

A viagem astral é quando a alma sai consciente, do corpo físico durante o sono ou os sonhos. Na verdade todas as pessoas ao dormirem deixam o seu corpo físico no leito e saem com o seu corpo astral para repetir tudo aquilo que fizeram durante o dia. Geralmente não se lembram destas experiências devido a inconsciência.

DESDOBRAMENTO ASTRAL
O VM. Samael Aum Weor; sábio, cientista, antropólogo e esoterista, é uma das raras pessoas que nasceu com a capacidade de se desdobrar conscientemente no plano astral. Em sua esclarecedora obra ‘DESFAZENDO MISTÉRIOS’ Capítulo XIV, transcreveremos os seguintes parágrafos:

“É preciso que compreendam a necessidade de aprender a sair do corpo celular à vontade. Entendam que o corpo físico é uma casa, onde não precisamos ficar prisioneiros.
“Precisamos entrar na região dos mortos à vontade, visitar as dimensões celestiais e conhecer outros mundos do espaço infinito.
“Fora do corpo físico, qualquer um pode dar-se ao luxo de invocar os seres queridos que já passaram pelas portas da morte e eles concorrerão ao nosso chamado. Assim, podemos conversar pessoalmente com eles.
“Há magos nigromantes que sabem invocar aos defuntos a fim de torná-los visíveis e palpáveis neste mundo físico, mas nós preferimos ir às regiões onde vivem para visitá-los, saber seu estado, ver como estão, etc,.
“Fora do corpo denso, adquirimos pleno conhecimento sobre os mistérios da vida e da morte. Fora do corpo celular, invocamos os anjos para conversar com eles, frente a frente.
“Entendam que no passado tivemos outros corpos e que vivemos outras existências. Fora do corpo físico, podemos recordá-las e revivê-las exatamente. A chave para alguém sair desta forma densa, para sair deste corpo carnal é muito simples.
“Prestem atenção. Qualquer um pode escapar do corpo de carne e osso à vontade naquele momento de transição que existe entre a vigília e o sono.
“Chega-me a memória um caso especial. Certa vez eu cheguei a um povoado e procurei um hotel, mas estavam todos cheios, não havia hospedagem para ninguém. Na última hora, consegui um alojamento em um dos dormitório.
“Havia ali muitas camas, onde dormiam muitos hóspedes. Paguei pelo último dos leitos e nele deitei-me para dormir. Lá pela meia noite um homem bateu na porta daquela casa solicitando alojamento. A dona da casa levou-o ao salão e disse-lhe: Veja, não tenho cama. Veja, todas estão ocupadas. O viajante protestou: Em lugar algum há hospedagem; vou dormir aqui mesmo, ainda que seja no piso. Coloque no chão um colchão, tapete ou esteira e um travesseiro para minha cabeça, porque estou muito cansado.
“A dona da casa de cômodos, comovida concordou em dar ao homem o que pedira. Encontrava-me acordado, vendo e ouvindo tudo aquilo. O viajante deitou-se no chão e pôs-se a dormir. Então observei-o detalhadamente. Enquanto estava desperto, movia-se de um lado a outro como que querendo acomodar-se ao duro piso. De repente, deixou de se movimentar e vejo com assombro uma nuvem cinza ovóide saindo de todos os poros de seu corpo.
“A nuvenzinha flutuou por alguns instantes sobre o corpo cansado do peregrino, depois colocou-se na posição vertical, assumiu sua aparência. Olhou-me fixamente antes de sair do salão caminhando com toda normalidade. Eis aqui o que sempre acontece neste estado de transição existente entre a vigília e o sono. O viajante afastou-se de seu corpo tenso da mesma forma com que todos fazem, mas sempre inconscientemente. Não digo com isto que aquele cavalheiro realizou uma saída consciente.
“Realmente trata-se de um processo natural e dar-se conta de seus processos naturais jamais poderá ser prejudicial a alguém. Realizar todas as suas funções conscientemente ao invés de fazê-lo de uma maneira inconsciente e involuntária nunca será perigoso. É por isso que ponho certa ênfase na necessidade de se aproveitar o momento de transição entre o sono e a vigília para se abandonar o corpo de carne e entrar consciente na região misteriosa. Há gente incrédula que diz: Que pode você saber do além? Como pode saber o que há do Texas para cima? Por acaso você foi ao outro mundo e voltou?, Etc.
“Estimados amigos, com este procedimento afirmo e reafirmo que todos podem ir ao outro mundo e voltar para contar o que viram. Posso jurar pelo que mais quero na vida que vou ao outro mundo cada vez que pretendo. E vocês também poderão ir desde que não tenham medo.
“Quando quero sair do corpo físico, aproveito o momento de sonolência, quando não se esta nem dormindo e nem está desperto de todo. Neste preciso instante, faço o que fez aquele viajante: levando-me suavemente, como que me sentindo vaporoso, fluídico, gasoso e saio do quarto, como aquele personagem saiu da casa de cômodos, e me dirijo para a rua.
“O espaço é infinito e voando posso viajar a todos os lugares da terra ou do infinito. Todos podem fazer o mesmo, desde que se proponham a tal. Antes de tudo, ninguém deve se identificar com o corpo material. Durante o experimento, devem pensar que não são o corpo e sim a alma. Devem sentir-se almas fluídicas, sutis… e quando se sentirem assim, simplesmente levantem-se da cama.
“O que estou dizendo traduza-se em fatos. Ouça-me bem. Não se trata de ficar pensando que estão se levantando, porque aí ficaria pensando sem realizar o experimento. Repito: Traduza-se em fatos. Façam o que fez o viajante da narrativa. Ele não se pôs a pensar que ia sair do corpo. Ele simplesmente agiu. Levantou-se do duro piso em que estava deitado. Repito para ficar bem claro. Levantou-se vaporoso, sutil, daquele lugar. Quando será que irão me entender? Em que período de sua vidas conseguirão sair do corpo à vontade?
“Querem saber algo do além? Querem conversar com os seres divinos fase à fase? Invoquem-nos, chamem-nos aos gritos quando estejam fora do corpo físico. Eles concorrerão com o propósito de instruí-los por amor a vós. Tudo de que se precisa é não ter preguiça e pôr atenção no processo do sono. Os cobertores que nos abrigam, as colchas e os lençóis sabem ser agradáveis. Custa muito trabalho abandonar a moleza, a inércia.
“Recordem que a vontade é indispensável para quem se propõe a sair do corpo físico. Conseguirão aqueles que seguirem minhas indicações com exatidão. Todos os sábios do passado abandonavam a forma densa para viajar consciente e positivamente no espaço infinito e conversar com os Deuses Santos, de quem recebiam maravilhosas instruções.
“Fora do mundo físico, podemos vivenciar diretamente todos os mistérios da vida e da morte. Compreenderão agora porque insisto na necessidade de se aprender a sair conscientemente do corpo físico”.

Através das palavras do Mestre Samael, ficou bem claro que o desdobramento astral é um processo natural que jamais poderá ser prejudicial a alguém

SEGREDOS OCULTISTAS DE PROJEÇÃO ASTRAL

Muito se tem falado e escrito sobre Viajem Astral, mas inquestionavelmente os maiores segredos ocultistas são reservados apenas aos Iniciados. Nossa Escola Iniciática Pistis Sophiah não mede esforços para revelar todos os grandes mistérios e segredos aos seus afiliados e Iniciados nos Mistérios Maiores. E é justamente por isto que tantas pessoas nos escrevem agradecendo-nos pelas extraordinárias revelações que fazemos em todas as nossas lições, e saibam que este nosso trabalho é direcionado à você, pois estamos cumprindo o terceiro fator da revolução da consciência que é o Sacrifício pela Humanidade.
Viajem astral, desdobramento astral, projeção da consciência, etc,. é a saída do corpo astral do corpo físico de forma consciente ou inconsciente.
Durante o dia, o corpo astral cansa o corpo físico. Com os seus desejos, agitações, eus psicológicos. E com toda esta agitação causada pelo corpo astral, as células do corpo físico se revoltam e vem a sensação de cansaço e o sono.
Com o adormecimento do corpo físico, o corpo astral se desprende do corpo físico e sai geralmente para repetir as coisas que mais lhe marcaram durante o dia. Geralmente freqüentar os mesmos lugares de costume , e por estar na quarta dimensão, pode viajar por todos os lugares que imaginar, conhecer qualquer parte do mundo e viajar por todo o espaço e todas as galáxias, etc… E isto é normal e acontece com todas as pessoas todas as noites durante o sono, só que de forma inconsciente. E tudo o que acontece no mundo do sonho é pura realidade, e o corpo astral está passando realmente pela experiência que geralmente é incompreendida no mundo físico. Mas é uma realidade e à muitos anos vem sendo estudada em laboratórios tais como na Ex-União soviética, Estados Unidos, etc… Infelizmente vem sendo usada, nos interesses pessoais (Eus) como forma de espionagem…
O nosso plano físico é a terceira dimensão (comprimento, espessura e largura), e o mundo do pensamento, da memória, do sonho… é a quarta dimensão que é o TEMPO. E o corpo astral viaja justamente na quarta dimensão que é o mundo do sonho. E aí não existe o “ESPAÇO TEMPO”. Pois você pensa em tal lugar e aparece lá mais rápido que a velocidade da luz e tão rápido como o pensamento!
Sabemos que a humanidade está 97% inconsciente e apenas 3% consciente. É devido a isto que traz poucas lembranças das experiências no mundo astral.A mesma consciência do corpo físico é a do corpo astral e que desperta a consciência no mundo físico também despertará no mundo astral. Quando a pessoa fica consciente no sonho ela pode controlar os seus atos. Se você se lembrar que estou lhe afirmando que você os pode controlar, você os controlará com certeza. Pessoalmente quase todas as noites controlo os meus sonhos, e sei por experiência própria que todas as pessoas também pode controlar os seus sonhos inclusive você! Nunca se esqueça destas minhas afirmações e procure sonhar com minhas palavras, repita-as várias vezes ao dia, ou durante semanas se for preciso, e comprovará por si mesmo que você pode e deve controlar os seus sonhos. Todos os ocultistas controlam os seus sonhos e você não será uma exceção.

fonte  pistissophiah