As chamadas “ovelhas negras”

As chamadas “ovelhas negras” da família são, na verdade, caçadores natos de caminhos de libertação para a árvore genealógica.

Os membros de uma árvore que não se adaptam às normas ou tradições do sistema familiar, aqueles que desde pequenos procuravam constantemente revolucionar as crenças, indo na contramão dos caminhos marcados pelas tradições familiares, aqueles criticados, julgados e mesmo rejeitados, esses, geralmente são os chamados a libertar a árvore de histórias repetitivas que frustram gerações inteiras.

As “ovelhas negras”, as que não se adaptam, as que gritam rebeldia, cumprem um papel básico dentro de cada sistema familiar, elas reparam, apanham e criam o novo e desabrocham ramos na árvore genealógica.

BErt hellinger

Graças a estes membros, as nossas árvores renovam as suas raízes. Sua rebeldia é terra fértil, sua loucura é água que nutre, sua teimosia é novo ar, sua paixão é fogo que volta a acender o coração dos ancestrais.

Incontáveis desejos reprimidos, sonhos não realizados, talentos frustrados de nossos ancestrais se manifestam na rebeldia dessas ovelhas negras procurando realizar-se. A árvore genealógica, por inércia quererá continuar a manter o curso castrador e tóxico do seu tronco, o que faz a tarefa das nossas ovelhas um trabalho difícil e conflituoso.

No entanto, quem traria novas flores para a nossa árvore se não fosse por elas? Quem criaria novos ramos? Sem elas, os sonhos não realizados daqueles que sustentam a árvore gerações atrás, morreriam enterrados sob as suas próprias raízes.

Que ninguém te faça duvidar, cuida da tua ”raridade” como a flor mais preciosa da tua árvore. Tu és o sonho de todos os teus antepassados.

Bert Hellinger – Constelação Familiar

#SejaEstejaSorria#auraquartz #EspaçoAuraQuartz #ovelhanegra #comportamento#familia #constelaçãofamiliar


Junte-se a nós, receba nossos posts e compartilhe!

Junte-se ao Aura Quart, com posts destinados a ajudá-lo desenvolver sua autonomia emocional. Vamos nos concentrar no que te leva a crescer e prosperar.

Continuar lendo As chamadas “ovelhas negras”

SEPARAÇÃO DE CASAL

SEPARAÇÃO DE CASAL  E A SAÚDE DOS FILHOS PODEM ESTAR LIGADOS DIRETAMENTE AOS FILHOS QUE NÃO FORAM VISTOS.

– A importância do luto por aborto ou natimortos.

Numa cultura de negar as perdas por mortes, não se permitem vivenciar o  luto pela perda de um aborto (provocados ou não). Causando profundo sofrimento para uma mãe, uma dor imensurável, quão a perda de uma criança nascida.

Infelizmente ainda  para grande maioria dos homens, perder um filho por  aborto, é a mesma coisa de saber que a mulher menstruou, não dando devida importância e reconhecimento, julgando como exagerado a tristeza da mulher.

Quando esse homem não se dá conta da dor do sofrimento, e juntos não vivenciam o luto, pode provocar um grande abismo entre o casal, no decorrer do tempo levar a separação.

Todos os abortos, deveriam ter uma cerimônia intima, no qual o casal olha para essa criança, mesmo que de forma fictícia, reconhece a perda e se despede, dando um lugar em seu coração. Pois; essa criança é tão filho, quantos os filhos vivos.

Dar um nome amoroso mesmo não sabendo o sexo da criança, entender qual é a ordem de chegada desse filho. Evitando assim, transtornos futuros com o relacionamento do casal e com possíveis desarmonias entre os filhos.

Crianças diagnosticadas como por exemplo TDAH – Doença crônica que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. – Pode ser a criança identificada pela falta desse irmão, mesmo que inconsciente, não sabe qual é o seu lugar no sistema familiar, provocando desequilíbrios de todos os gêneros.

O futuro de todos podem estar afetados, e você sabe qual é o seu lugar no seu sistema familiar?

Lembrando que natimorto é o termo atribuído ao feto quando morre dentro do útero materno ou durante o trabalho de parto.

Selma Flavio – Terapeuta Sistêmica


Tire suas duvidas ou agende sua sessão terapêutica.


Leia mais

Continuar lendo SEPARAÇÃO DE CASAL

A guerra e a paz está em nosso sistema familiar

“Herdamos, emocionalmente, muitas situações de conflito, originárias do nosso sistema familiar. Olhe para trás, e somente naquilo que você sabe, e veja quantas separações, quantas traições, quantos filhos fora do casamento, quantos abortos, quanta mentira no relacionamento familiar, quantas dores, quantos desfalques, atos abomináveis e até desumanos… tudo isso faz parte de você. Tudo isso é energia que pulsa em seu íntimo. Por mais que, conscientemente, você negue ser um assassino, um depravado, uma mãe irresponsável, um pai que abandona o filho, um trabalhador fraco e covarde, estas energias fazem parte do seu sistema familiar. E foram justamente estas energias, e a força vital que lhe trouxe a esta vida, que o mantém vivo, sobrevivente, com força para superar tudo isso e fazer algo bom da sua própria vida. Por isso, costumo dizer que todos estes fatos são bênçãos, dádivas divinas, verdadeiros tesouros que o universo nos provê, nos preparando para a luta do dia-a-dia.
O inimigo está em seu próprio sistema familiar. Perdoar ao vosso inimigo é reconhecer que você é igual às coisas mais abomináveis que combate, pois se elas lhe incomodam tanto, é porque você sabe, inconscientemente, que fazem parte de si. É amar a si mesmo, do jeito que você é, com todas as virtudes mas, principalmente, com todas as mazelas. Sem a máscara do bonzinho, do espiritualizado, do evoluído. E também sem a máscara do coitado, do sofredor, da vítima.”

Constelação Familiar


ACOMPANHEM O ASSUNTO – CONSTELAÇÃO FAMILIAR

Clique aqui  tire suas duvidas, agende seu atendimento linktr.ee/selma.flavio


O amor do pai e a manifestação do masculino

Será que isto significa que o pai ama menos do que a mãe?

Para nós, não há nada mais longe da realidade do que essa afirmação. Neste ponto, a vida se mostra tão perfeita ao incluir um amor tão completo que surge a partir de dois seres diferentes.

A mãe nos permite experimentar o amor que acolhe. O pai permite experimentar o amor que te mostra o externo, que ensina sobre limites. Os dois são necessários, cada um da sua forma.

Vemos em nosso trabalho de forma frequente como o amor que vem do pai é incompreendido, principalmente nos dias de hoje.

É comum ver como os filhos, em geral, têm dificuldade de ver o amor que está presente na firmeza e ou dureza que por vezes recebem de seus pais.

Os filhos se perdem ao ver o que recebem através destes gestos que, em um primeiro olhar não conseguem interpretar. Eles não se apropriam da força que surge deste relacionamento tão singular.

Sem poder contar com a força do masculino que vem do pai, por julgarem profundamente esta outra forma de amor, acabam por sofrer as consequências disso na vida. 

Em última instância, quando julgam os pais, proíbem a si mesmo de usar as riquezas do masculino contidas em si.

Fonte IpêRoxo

É verdade que há uma fase na vida em que as pessoas precisam dizer não aos pais, mas é um não comportamental, de ação, não necessariamente de coração. É normal, em certo momento, que exista essa necessidade de se separar, de se diferenciar, de se fazer grande em relação aos pais. No entanto, se o filho diz com o coração aos seus pais: “Não, eu não tomo aquilo que vem de vocês porque não é o que eu mereço”, mesmo que vá para a Austrália continuará percebendo uma corda enorme que o amarra aos seus pais através da rejeição.

Mas se ele diz: “fico feliz que vocês e juntaram e me entregaram a vida e os agradeço e digo sim à vida que me deram e a aproveito, e em tudo de bom que vivo na minha vida os tenho presentes”, então os pais se sentem grandes e o filho se sente impulsionado à vida, e pode deixar os pais e seguir o seu próprio caminho, possuir a vida, fecundá-la, injetar os seus genes na torrente da vida, CRIAR, arriscar, viver.

E de vez em quando ele vai voltar para os seus pais e dirá de novo: “obrigado”.
A rejeição ata. O consentimento liberta, pois é amor.

Joan Garriga

AGRADECIMENTO AO DESPERTAR DA VIDA – Dia dos Pais

“Querida mamãe,

eu tomo a vida de você,

tudo, a totalidade,

com tudo o que ela envolve,

e pelo preço total que custou a você

e que custa a mim.

Vou fazer algo dela, para a sua alegria.

Que não tenha sido em vão!

Eu a mantenho e honro

E a transmitirei, se me for permitido,

Como você fez.

Eu tomo você como minha mãe

E você pode ter-me como seu (sua) filho (a).

Você é a mãe certa para mim

E eu o (a) filho (a) certo (a) para você.

Você é a grande, e eu sou o (a) pequeno (a).

Você dá, eu tomo – querida mamãe.

Eu me alegro porque você tomou meu pai.

Vocês dois são os certos para mim. Só vocês!”

“Querido papai,

eu tomo a vida também de você,

tudo, a totalidade,

com tudo o que ela envolve,

e pelo preço total que custou a você

e que custa a mim.

Vou fazer algo dela, para a sua alegria.

Que não tenha sido em vão!

Eu a mantenho e honro

E a transmitirei, se me for permitido,

Como você fez.

Eu tomo você como meu pai,

E você pode ter-me como seu (sua) filho (a).

Você é o pai certa para mim

E eu o (a) filho (a) certo (a) para você.

Você é a grande, e eu sou o (a) pequeno (a).

Você dá, eu tomo – querido papai.

Eu me alegro porque você tomou minha mãe. Vocês dois são os certos para mim. Só vocês!”


Você tem conflitos com seus pais? Agende-se e venha constelar seu tema pelo WhastApp 11 973873144 – Selma Flavio – Consteladora Familiar.


#EspaçoAuraQuartz
#SejaEstejaSorria
#SelmaFlavio 


CONSPIRAÇÕES DE FAMÍLIA

As constelações familiares têm por objetivo restaurar o equilíbrio das leis sistêmicas, a partir das dinâmicas familiares. É importante ressaltar que uma dinâmica prejudicial pode conter várias rupturas sistêmicas que, deixarão sequelas nessa geração e nas gerações seguintes.

Nas famílias, existem dinâmicas ocultas entre os membros que são capazes de perturbar as ordens do amor, o equilíbrio entre dar e tomar e o pertencimento. Como é possível uma família com 55 filhos? Não é possível. Isso é um fenômeno de agrupamento coletivo, não uma família. Uma família com essa quantidade de filhos não serve de modelo pois gerenciar uma família significa equacionar as muitas dinâmicas subjacentes às relações e que são suficientes para sobrecarregarem até mesmo famílias pequenas.

Sobre as rupturas da ordem do amor, um exemplo seria o distanciamento e o atrito do casal que encabeça a família. Todos sabem que a vitalidade da conexão dos parceiros é fundamental para organizar o núcleo familiar. Não importa o sexo dos parceiros porque o destaque é a coordenação de membros subordinados ao casal, feita mediante a conexão. Quando esta se encontra enfraquecida, ocorre deslocamentos compensatórios para fora da família (extraconjugalidade) ou para dentro dela com um dos filhos, por exemplo, passando a se sentir responsável pela conexão do casal. É comum vermos mães compensarem o enfraquecimento da conexão com o parceiro delas, colando-se aos filhos. Isso provoca uma exclusão do parceiro, sentimentos de rivalidade e de ciúmes, sobrecarga no filho que, por lealdade à mãe, assume a responsabilidade de apoiá-la visto que o parceiro dela não a apoia. Cada filho assim empaca na vida: fracassa na escola, se isola socialmente, fracassa em ter parceria própria… ele está com o “slot” ocupado pelas questões da mãe. A energia que alimenta essas dinâmicas torna o filho (ou filha) infeliz no amor, fracassado financeiramente, incapaz de manter dinheiro, doente mental e fisicamente. Quando a compensação parte do pai que se alia à filha, ele acaba excluindo a parceira. Esta desenvolve sentimento de repulsa ciumenta pela filha, e se torna abusiva, denegridora e humilhante. Por motivos inerentes à sexualidade dos machos, pode ocorrer abuso sexual nesses casos também. Visto a energia materna excluir a filha, esta não se sentirá e poderá, neurótica e compensatoriamente, se refugiar em uma pseudo homossexualidade sofrida, ou se vincular com um parceiro insuficiente, ou desenvolver esterilidade e infertilidade, ou ficar sexualmente frígida ou afetivamente amarga e, materialmente, viver na pobreza.

A dinâmica de um casal deve refletir um dar-e-receber equilibrado porque ele antecede a formação da família. Quando a família antecede o casal (união por causa de gravidez) surge um terreno fértil para disfuncionalidade do dar-e-receber e consequente fracasso da parceria. Ninguém deve permanecer uma parceria contrariado: uma separação saudável é melhor do que uma convivência doentia. Não pretendo banalizar as parcerias; pelo contrário: parceria é coisa séria, não devendo ser estabelecida levianamente, principalmente na existência de prole.

Sobre problemas na dinâmica do pertencimento, os mais simples são aqueles referentes ao de ciúme entre irmãos. O ciúme é quando alguém quer expurgar do outro um afeto que julga que deveria ser seu. É uma disputa por amor e atenção que pode gerar rivalidades inconciliáveis e, inclusive, promover trapaças entre irmãos. Na base disso, existe um anseio de expropriar o fraterno. Quando o ciúme é simbólico, fica no registro do psíquico, gerando preocupações competitivas e desvio de energia. Outro exemplo é o pai que tem ciúmes do filho e quer ser o único macho da horda. Ele pode, simbolicamente, tentar emascular o filho, sendo abusivo, agressivo, fazendo ele se sentir inferior, incapaz e covarde. Normalmente o filho se submete a essa imposição e vira um banana. Na verdade, o banana é o pai que entra em rota de colisão desleal com uma criança, um filho; só que esse segredo é algo que só será descoberto mais tarde. Outro exemplo é quando o excluído, para sobreviver, assume postura de vítima e se converte naquilo de que é acusado, potencializando-as através da conduta, confirmando a tese e o intento familiar, tipo “quem tem fama, deita na cama”. Tal filho entregou à família o próprio direcionamento ao viver reativamente e sem impulso próprio. É alguém que ficou mentalmente doente e precisa de um cuidador substituto (psicoterapeuta, conselheiro, etc.). Quando o ciúmes é entre irmãos e concreto, ele pode embasar trapaça em partilhas, corrupção familiar e até mesmo deserdamento decorrente da cooptação dos irmãos com os pais. Tudo isso, quando não produzir assassinato.

Em resumo, certos acontecimentos trágicos têm origem na quebra do equilíbrio de leis e ordens familiares. Uma família pequena já encerra problemas suficientes para ocupar bastante tempo. Imagine em agrupamentos de 55 filhos adotivos, cujos responsáveis chamaram de “família”! Será algo ainda mais crítico!!! Mesmo sem acontecimentos trágicos emergirem, os efeitos dos desequilíbrios sistêmicos, mesmo quando desapercebidos, serão sentidos nas gerações seguintes porque possuem grande energia. As constelações os revelam e trabalham a energia deles. As constelações os neutralizam e podem colocar as pessoas no movimento correto, em direção à adequação, tornando-as capazes de crescerem e de promoverem o crescimento, o respeito e a responsabilidade.

Se você leu até aqui, curta o artigo e a página para ela poder continuar a crescer e venha conhecer como funciona uma constelação.

Fonte: Livro Constelações Familiares: evoluções – Miguel Mello


#EspaçoAuraQuartz
#SejaEstejaSorria
#SelmaFlavio 


Informações / Agendamento 11 973873144 – Selma Flavio

Constelações familiares: o que são e como nos afetam

As constelações familiares são um novo método terapêutico que procura entender o comportamento que ocorre dentro das famílias. Por meio desta terapia é possível ver e analisar como você é moldado através dos relacionamentos com as pessoas mais próximas a você.

É um fato que a sua personalidade, sua forma de ver a vida e a forma que você enfrenta o dia a dia dependem do que você aprendeu na infância. Muitas vezes não entendemos por que temos certos problemas ou não podemos mudar algumas ideias. As constelações familiares nos ajudam a entender de onde vem tudo isso e nos dão as ferramentas para mudarmos o que for necessário.

A eficácia das constelações familiares já fez com que muitos profissionais da área começassem a usá-la. Aqui falaremos sobre alguns detalhes para entender melhor essa terapia e para ajudá-lo a decidir se é o que você precisa.

Benefícios das constelações familiares

A terapia das constelações familiares está ganhando muita força dentro da terapia emocional. Não é incomum se você levar em conta todos os seus benefícios:

  • Permite entender os problemas desde a raiz. Muitas terapias se concentram na busca da solução. Com as constelações familiares você começa da base da sua vida e dos seus problemas: a família. Ela permite que você entenda como os padrões negativos estão lhe afetando e dá as soluções para mudar de forma eficaz.
  • É uma terapia que exige um investimento de tempo menor. A maior parte das terapias psicológicas requer vários meses ou anos para tratar as situações que lhe afetam. Estes tempos são significativamente reduzidos com as constelações familiares.
  • É possível solucionar problemas emocionais. Depressão? Agressividade? Relacionamentos tóxicos constantes? Não importa qual seja o problema que você tem, você pode mudá-lo com as constelações familiares. Isso porque todos os problemas emocionais nascem de um sofrimento sistemático. Quando você entende de onde vem o que você enfrenta, é possível solucionar o que nasce a partir dele.
  • Melhore os seus relacionamentos familiares. As constelações familiares ajudam a ver o que está errado com a sua família e a melhorar isso. Às vezes você não pode simplesmente mudar os padrões adquiridos, mas consegue mudar a sua forma de agir. Esta terapia permite que você cure as feridas, perdoe e lide com as pessoas tóxicas que não podem sair da sua vida.

Quais são os efeitos da terapia de constelações familiares?

Já nos referimos anteriormente os benefícios da terapia de constelações familiares e certamente eles pareceram interessantes. Mas isso vai mais além, pois a terapia não afeta apenas o seu passado e o seu presente. Descubra os efeitos e você verá que essa é uma alternativa muito interessante.

  • Vai melhorar a ligação que você tem com a sua família. Talvez você pense que ao descobrir como a sua família o afetou negativamente você vai querer sair de lá. O efeito é justamente o contrário. Quando você descobrir quais são as razões do seu comportamento, também irá entendê-lo melhor. O que agora parece impossível de aceitar ou perdoar é visto de outra perspectiva e isso melhora o relacionamento com os seus entes queridos.
  • Ocorre uma mudança profunda em todos os que participam na terapia de constelações familiares. Consegue imaginar uma terapia em que toda a sua família possa ser curada ao mesmo tempo? Ainda que existam outras alternativas, as constelações familiares permitem desenterrar segredos e emoções que não são possíveis em outras terapias. Será possível entender melhor mesmo os familiares que não participarem nessa terapia, e ela é igualmente útil para as crianças da casa.
  • Permite criar bases sólidas para as crianças. Você pode pensar que para as crianças não importa realmente o que está acontecendo, mas isso não é verdade. O que não se deve esquecer é que se você entrar nesse tipo de terapia, é porque a sua infância foi afetada.

Aproveite os benefícios das constelações familiares

Eu sei que falar dos seus problemas já é difícil, e fazer isso diante da sua família para que cada um assuma suas responsabilidades é mais ainda. Mas esse é o primeiro passo para evoluir de conhecidos vivendo juntos para uma verdadeira família que se apoia.

Fonte amenteémaravilhosa

Como o filme – VIVA: A Vida é uma Festa (Coco, 2017)
O garoto para honrar seu avô esquecido, se torna cantor, indo aos mundos dos mortos para resgatá-lo e ser lembrado pela família.

Essa história foi feliz, mas nem sempre é assim. A doença, os vícios, as atrocidades podem se dar na busca de incluir um ente esquecido.

É emocionante demais, descobrir no final do filme que a foto que todos achavam que tinha sido rasgada pela avó para esquecer seu marido – avô do menino – na verdade foi arrancada para ser guardada mais pertinho dela. E é tão bonito ver que agora, Heitor – o avô – agora fazia parte da família.



Você alguma vez já participou de uma terapia de constelações familiares? O que achou? Você a faria?
Entre em contato
Selma Flávio – Terapeuta Sistêmica a Vibracional
WhastApp 11 973873144 –  selma@selmaflavio.com.br