O que te prende ao processo reencarnatorio


Segundo o dicionário Reencarnação é uma corrente filosófica, doutrinária e religiosa segundo a qual nossa alma, que é eterna, vivencia uma pluralidade de vidas terrenas durante a sua existência.

O objetivo do artigo é chamar atenção que o  apego aos sentimentos e emoções negativas são os pesos que nos detém a essa dimensão, nos tornando presos a roda das reencarnações. Com a finalidade de aprendizado e reaprendizado, sublimando a alma para que se transforme e, na sua leveza se desprenda para a continuidade do seu processo evolutivo a outros níveis.

Desprenda-se dos desejos de vingança, obsessões amorosas, ciúmes, inveja, mágoa, ressentimentos, raiva, culpa, medo, tristeza, ódio…

Solicite ajuda espiritual, psicológica, use os instrumentos que Deus nos proporciona.

Assim como um cristal bruto seja lapidado, transmute se eleve, e leve seja para o caminho da transcendência.

Selma D. Flávio

 

Assistam o vídeo – uma animação gostosa de se ver.

 

Em gratidão as palavras de Carmen Abraço de Luz –  que descreve perfeitamente a visão.

Um processo que antes só “algumas religiões” praticavam (e praticam) como fator principal de cura, e hoje se estende nas práticas profissionais. A gratidão,o amor e o perdão pelos processos de outras vidas é a única explicação, que eu dentro do meu limite de buscar o Saber, “sinto” sem precisar de maiores provas concretas, que é a chave para abrirmos a porta de uma vida “aqui e agora” com harmonia e tranquilidade íntima (se estendendo ao redor) e porque não dizer, aos novos e necessários “retornos”.

 

Selma D. Flávio – Facilitadora em Constelação Familiar e Terapias Energéticas

 


*imagem Google

 

O que nos prende na Terra – 5 Sinais da reencarnação


Sinais que sua alma reencarnou

Segundo o dicionário – Reencarnação é uma ideia central de diversos sistemas filosóficos e religiosos, segundo a qual uma porção do Ser é capaz de subsistir à morte do corpo.

Fato é que a reencarnação é a crença de que você nasce, morre e torna a nascer novamente em algum lugar no planeta. No qual serve para nos ensinar a lidar com as sombras e a falta de virtude, lições são designadas no qual nem sempre se aprende, então, se torna a nascer sucessivamente.

Normalmente acontece por livre arbítrio e outras vezes por obrigação espiritual.

Alguns aprendem a lição pela dor, através de doenças e situações de calamidade, tristeza…. Porém, temos o livre arbítrio de aprender pelo amor, através do autoconhecimento e reforma intima. Conectando-se com Deus e com sua história, passando essa vida de forma mais harmônica.

Podemos aprender pelo amor e com mais qualidade de vida!

A seguir alguns sinais que podem perceber o processo:

  • Tem ambientes que sente que já conhece, mesmo sem nunca ter ido.
  • Sensação que de que conhece algumas pessoas, mas presta atenção, isso também pode significar que percebe traços semelhantes aos seus nela.
  • Saudades de algum lugar que não onde é – quantas vezes já sentiu saudades sem saber, ao sentir o cheiro da chuva.
  • Não se conforma com a natureza humana.
  • Busca interesses no desenvolvimento da vida e amadurecimento da alma.

Foi inspirada pelos irmãos de luz, que trouxe esse vídeo, para compreenderem o que nos prende aqui e quais lições precisamos prestar atenção em aprender. De forma prática, didática e divertida.

 

O apego aos sentimentos e emoções negativas são os pesos que nos detém a essa dimensão, nos tornando presos a roda das reencarnações. Com a finalidade de aprendizado e reaprendizado, sublimando a alma para que se transforme e, na sua leveza se desprenda para a continuidade do seu processo evolutivo a outros níveis.

 

Selma D. Flávio – Facilitadora em Constelação Familiar e Terapias Energéticas.

 

Compartilhem e se inscrevam em nosso canal.
 

  imagens cortesia Pixabel

CONHEÇA 20 COLÔNIAS ESPIRITUAIS QUE ESTÃO SOBRE O BRASIL


As Colônias Espirituais são de diversos tipos. Por exemplo: socorristas, correcionais, estudo e de desenvolvimento das artes, pesquisas no conhecimento científico e muitas outras.

O que rege a formação das Colônias Espirituais é a Lei de Afinidade.

1. COLÔNIA DAS ÁGUAS

Próxima à entrada do rio Amazonas, em terras do Brasil, ainda com o nome de Solimões, estendendo-se no sentido em que correm as águas do grande rio, no seu encontro com o mar.

Sua especialidade: receber os desencarnados por problemas circulatórios e que são afetados no perispírito, pela impressão da doença.

2. COLÔNIA AMIGOS DA DOR

Fica ao norte de MG, passando pelo Extremo Sul da Bahia, passando por Porto Seguro e avançando pelo Oceano Atlântico.

Realiza grande socorro a recém-desencarnados através de missas, visto que os tarefeiros desta Colônia prestam atendimento nas igrejas, nas santas casas de misericórdia e em funções de ritual católico. É uma das mais antigas colônias em terras brasileiras.

3. COLÔNIA DA PRAIA

Fica no sudeste do Espírito Santo, próximo a Marataízes, estendendo-se além da Ilha dos Franceses.

É voltada para atividades espirituais que atuam na ecologia terrena, desenvolvendo estudos e mantendo observação atuante no equilíbrio exercido pelo oceano, na estrutura do planeta. Funciona como um dos pontos de vigilância na harmonia planetária.

4. COLÔNIA DAS FLORES

É uma das maiores colônias espirituais. Inicia-se na parte central de Santa Catarina, nas proximidades de Tangará, seguindo sem interrupção até o norte de Goiás, na cidade de Alto Paraíso de Goiás.

Como pontos de referência, no Paraná, está próxima a União da Vitória, a Londrina. Adentrando São Paulo, às cidades de Presidente Prudente, Pereira Barreto e Santa Fé do Sul. Segue em direção do sudoeste de Minas Gerais, adentra Goiás, por São Simão, Paraúna até Alto Paraíso.

“Paraíso das Flores”.
Especializou-se no socorro aos que desencarnam vítimas de câncer e que quase sempre conservam a impressão da doença no perispírito

5. COLÔNIA NOVA ESPERANÇA

Poderia ser chamada de “Colônia da Estatística Planetária”, devido à sua importantíssima função, na catalogação de todos os espíritos que entram, saem e que permanecem no Orbe planetário, o que, hoje, equivale a aproximadamente 30 bilhões de espíritos. Ela se localiza bem próximo à cidade de Palmelo/GO (na direção de leste a norte), estendendo-se nas direções das localidades de Pires do Rio, Ipameri e Caldas Novas, respectivamente.

É grande a quantidade de espíritos que chegam para os primeiros socorros, devido à sua potente irradiação planetária. Após o tratamento inicial, vários espíritos são encaminhados a outras colônias, para o prosseguimento de tratamentos específicos ou por afinidade e vontade, ou, ainda, por solicitação de espíritos familiares, com méritos para isso.

Possui vários postos de socorro e atendimento espalhados por vários lugares da Crosta Terrena, e estes postos recebem todos o nome de “Boa Esperança”.

As atividades espirituais são intensas e possui muitos emissários de luz. Todo trabalho de serviço prestado na Colônia recebe-se “bônus-hora”.

6. COLÔNIA MORADA DO SOL

Localiza-se na parte leste do Brasil, estendendo-se do norte da Bahia, próximo a Altamira, atravessa Sergipe, passando por Aracaju, segue por Alagoas, por via de Maceió, indo até o norte de Pernambuco, na Ilha de Itamaracá.

Esta Colônia também coordena um trabalho de equipes espalhadas pelo planeta, levando socorro, assistência e amparo a todos os portadores de “doenças tropicais”, os quais se encontram encarnados.

7. COLÔNIA RAIOS DO AMANHECER

Localiza-se na parte central do planeta, acompanhando a imaginária linha do equador.

Forma uma quase “ciranda” em torno da Terra, embora apresente núcleos de espaço em espaço. Os maiores núcleos estão no Brasil, norte do Amapá, passando pelas Guianas em direção ao Atlântico; na África, abrange os dois Congos e o Quênia; e o outro grande núcleo se encontra nas Ilhas da Indonésia, entre os oceanos Índico e Pacífico. Além desses existem outros núcleos menores e o conjunto deles é que constitui a Colônia Raios do Amanhecer.

Cada núcleo apresenta características filosóficas próprias, embora seja a do Cristo a filosofia de atendimento em todos eles.

No Brasil, a colônia tem o aspecto de uma grande “parque infantil”, pois é o mundo espiritual das crianças. Os grandes centros de lazer infantil na Terra foram inspirados nessa Colônia.

8. COLÔNIA REGENERAÇÃO

Localiza-se nas proximidades de Goiânia, seguindo em direção a Brasília, envolvendo Anápolis, Pirenópolis, Luziânia até Formosa. Trabalha também na recuperação dos espíritos mutilados no perispírito, área que envolve muitos setores de atendimento: fluídico concentrado, terapias, academias, esportes, tudo isso com uma contínua conscientização de renovação interior.

9. COLÔNIA DO SOL NASCENTE

Fica no sudoeste do Estado de SP, envolvendo as áreas de S. José dos Campos, Campos do Jordão, Itajubá (MG), Pouso Alegre (MG), Águas de Lindóia e Bragança Paulista, em SP.

A Colônia apresenta também um setor de preparação do espírito para o reencarne aguardando o momento determinado por Deus; geralmente ficam felizes com a nova oportunidade e aguardam esperançosos; e há os que são encaminhados para lá para receberem essa preparação para voltarem à vida física.

10. COLÔNIA REDENÇÃO

Fica no leste da Bahia, com uma forma mais ou menos triangular, numa área de envolve Salvador, Alagoinhas e Feira de Santana e é de grande referência no plano espiritual.

É um grande laboratório fluídico, do qual toda a colônia se beneficia e distribui seus fluidos através de suas equipes socorristas na Terra.

Nesta colônia encontra-se um arquivo com as mais lindas histórias e exemplos de amor que o Planeta conheceu, começando pela história de Jesus, com cenas vivas.

11. COLÔNIA DAS MONTANHAS

Localiza-se a noroeste de MG, próxima à divisa com Goiás, adentrando o sudoeste entre a Serra Bonita (MG) e a Serra da Capivara (BA) e a Serra dos Gaúchos (MG), envolvendo toda a área do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, onde envolve as águas dos rios Urucaia e Pardo com seus afluentes.

12. COLÔNIA BOM RETIRO

Localiza-se no Paraná entre Curitiba e Ponta Grossa, estendendo-se ao norte até Cerro Azul e, ao sul, até Água Azul. Tem o formato de um losango.

Além do socorro espiritual a desencarnados, sua função principal é voltada ao reequilíbrio do espírito

13. COLÔNIA PADRE CHICO

Fica no Triângulo Mineiro, na região que envolve Uberlândia, Tupaciguara, Monte Alegre de Minas, Prata e Miraporanga, como pontos de referência material.

É também conhecida no Plano Espiritual como a Colônia das Margaridas, pela grande quantidade dessa flor espalhada por toda a Colônia, na cor branca e na amarela.

Colônia de porte médio, tem vida intensa e movimentada devido ao grande número de espíritos nela abrigados tanto para socorro quanto para trabalharem e servirem em nome do Cristo.

– Ala dos Hospitais
– Ala dos Albergues
– Ala das Escolas
– Ala de informações
– Áreas residenciais
– Parte central da Colônia

14. COLÔNIA DO MOSCOSO

Situada na parte centro-leste do Espírito Santo. Envolve a área que abrange Vitória, Vila Velha, Domingos Martins, Cariacica, Serra, Jacaraípe e Oceano Atlântico.

Tem o formato de um retângulo – características orientais, por ter sido fundada pelos “Moscos”, povos que habitavam entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, havia milhares de anos e que vieram em migração espiritual para o psiquismo do Brasil.

Tem como característica o desenvolvimento de técnicas especiais, que auxiliam o espírito à autodescoberta, como essência divina. Distribui equipes de tarefeiros, por toda a parte, estimulando e concedendo apoio atoda tarefa que visa à educação da alma, no domínio de si mesma, ampliando os setores de autoconhecimento.

Inspiram encarnados nos livros de autoajuda oferecendo o resultado de suas pesquisas e esforços visando ao autoconhecimento.

15. COLÔNIA DO ROUXINOL

Fica ao norte do Brasil, no Maranhão, na região que envolve a Serra das Alpercatas. Suas extremidades aproximam-se ao norte da cidade de Presidente Dutra; ao sul, de Raimundo das Mangabeiras; a leste, da Represa da Boa Esperança (divisa com Piauí) e, a oeste, de Naru.

Há uma profunda sensação de paz e ali ficam os espíritos que desencarnaram após longos períodos de enfermidade ou que tiveram morte súbita, com perda de sangue (o plasma da vida).

16. COLÔNIA DAS VIOLETAS

É uma colônia do Brasil central. Se estende do rio Sucunduri (AM) ao Parque Nacional do Araguaia (TO), passando pela Serra do Cachimbo, por Santa Maria das Bandeiras (PA) e pela Serra dos Apiacás e Alta Floresta (MT).

A Colônia desenvolve técnicas voltadas para a cura de enfermidades cardíacas. Nos seus educandários e laboratórios, espíritos estudiosos oferecem não só no plano espiritual mas também aos estudiosos encarnados, o resultado de suas pesquisas. O avanço médico, no setor cardíaco, recebe direta ou indiretamente a influência positiva dessa Colônia inspirando os transplantes do coração, pequenas, média e grandes cirurgias cardíacas e todo avanço desenvolvida nessa área vem desta Colônia.

17. COLÔNIA GRAMADO

A Colônia desenvolve também um trabalho específico – técnicas de estudo relacionadas com a “coluna vertebral”, “coordenação motora das pernas e pés”.

Muitos dos profissionais dessa área encarnados têm afinidades com esta colônia recebendo dela muita influência, em especial os que fazem “cirurgias de hérnia de disco”, para se aprimorarem as técnicas dessa enfermidade. Cuidam também de serviços relacionados com “paralisias”.

18. COLÔNIA DO ABACATEIRO

Abrange os estados de Goiás e Mato Grosso na região que fica entre o distrito de Aparecida do Rio Claro, próximo a Montes Claros de Goiás (GO), Barra do Garças (MT), Primavera do Leste (MT), Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Rondonópolis (MT) e Bom Jardim de Goiás (GO), como pontos de referência. Aparecida do Rio Claro e Cuiabá são os pontos extremos a leste e oeste, e toda a colônia é cercada de abacateiros.

A Colônia desenvolve técnicas e tratamentos específicos no atendimento “renal”, tanto no perispírito quanto no auxílio a todos os processos de enfermidade renal dos encarnados em resgate nesse setor.

19. COLÔNIA “ESTUDO E VIDA”

Encontra-se no Mato Grosso do Sul e parte da Bolívia. No Brasil, envolve a região do Pantanal Matogrossense adentrando a Bolívia pela Lagoa Mandiorê.

A finalidade da Colônia é o estudo da vida. Todo espírito que deseja aprofundar-se em algum estudo de autoconhecimento, para compreensão dos próprios conflitos e desencontros, para qualquer assunto que vise ao bem, à elevação de conceitos e à busca de Deus, desde que tenha “bônus-horas” suficientes para se inscrever na Colônia, poderá dirigir-se a ela e permanecer enquanto desejar.

Espíritos também fazem uma retrospectiva, reprogramando-se para o futuro, verificando que pontos ainda os fazem ingressar na matéria, para posteriormente poderem deixar o planeta Terra em busca de outro.

20. COLÔNIA ARCO-ÍRIS

Localizada na região norte do Brasil, a colônia vai de Porto Velho (RO) a Manaus (AM), em linha reta, abrindo aproximadamente 20 km de largura.

Espíritos volitam entre esses arcos-íris como se fossem viadutos no espaço em tarefas de amparo aos encarnados e conhecidos como “os filhos do arco-íris”.

Estas foram poucas das muitas Colônias Espirituais existentes em nosso país…

Livro: Moradas Espirituais de Vania Arantes Damo


Atraímos obsessores ou captamos energias desequilibradas

Por que, muitas vezes, atraímos obsessores ou captamos energias desequilibradas de encarnados e desencarnados? Como se proteger?

Ressonância, em física, refere-se ao fenômeno em que se registra transferência de energia de um sistema oscilante para outro, quando a frequência do primeiro coincide com uma das frequências próprias do segundo.

O corpo de um instrumento musical, um violão, por exemplo, é uma caixa de ressonância. As vibrações da corda entram em ressonância com a estrutura da caixa de madeira que “amplifica” o som e acrescenta vários harmônicos, dando o timbre característico do instrumento. Sem o corpo, o som da corda seria fraco e insosso.

Podemos dizer que a ressonância é o fenômeno físico, energético, espiritual e consciencial responsável pela lei de afinidades, que diz: “Os semelhantes se atraem e os diferentes se repelem”. Você atrairá quem tiver o mesmo padrão vibratório ou energético que seu campo mental exterioriza, ou seja, quem sintoniza ou ressoa com você.

Ressonância vem de som. Quando você liga sua TV e muda de canal, você acabou de mudar a frequência de ressonância da recepção do aparelho para a frequência da emissora escolhida.

Quando um cantor que atinge frequências muito altas com sua voz é capaz de achar a frequência de ressonância de uma taça de cristal, pode fazê-la vibrar até quebrar.

Quando uma tropa de soldados passa por uma ponte, ela deve passar sem marchar, pois o ritmo da marcha pode coincidir com a frequência de ressonância da ponte e destruí-la instantaneamente. Isto já aconteceu em épocas de guerra…

Quem não ouviu falar nas Muralhas de Jericó, na Bíblia? Por um processo de frequência de ressonância as muralhas despencaram como se fosse um milagre. “Uma cidade antiga está sendo sitiada. Seus atacantes haviam atravessado em massa o rio Jordão e estavam agora acampados diante das altas muralhas da cidade. Todos os dias, durante seis dias, o exército invasor marcha ao redor da cidade em silêncio, rompido apenas por um grupo de sacerdotes acompanhantes, que toca buzinas.

Agora, no sétimo dia, o exército marcha silencioso sete vezes ao redor da cidade. De repente, os sacerdotes tocam as buzinas com toda a força. O exército rompe o silêncio com um forte grito de guerra, e as altas muralhas da cidade desmoronam numa nuvem de poeira, deixando a cidade indefesa” – Josué 6:1-21. Antes um “milagre”, hoje fato totalmente explicado pela física.

Quando você tem um bom equipamento de som e está ouvindo a alto ou médio volume, e alguma caixa de som está próxima do equipamento, aparece uma distorção.

Quando um engenheiro calcula uma instalação elétrica para uma residência, existem fórmulas de cálculo para se evitar que os fios entrem em ressonância com a frequência da rede elétrica de que ela é portadora, senão os fios começam a se mexer em forma de ondas dentro dos tubos, destruindo toda a instalação.

Quando você se agrega (casa, reúne, se agrupa) com uma ou mais pessoas, é porque tem afinidade com elas. Se tem afinidade, são semelhantes do ponto de vista espiritual; se são semelhantes, provavelmente têm defeitos e virtudes semelhantes. Vocês formam um grupo chamado de grupokarma.

Ódio, mágoa, ressentimento, são prisões cármicas. Quando você se desequilibra diante de um evento negativo que alguém gerou em você, está entrando em ressonância ou sintonia com ela. Acontece que o ódio desta pessoa que te fez mal continua atuando em você energeticamente, e seu ressentimento contra ela abre uma porta de sintonia emitindo a ela energias do mesmo padrão, que reforçam o seu ódio, que volta para você estimulando seus ressentimentos, formando um ciclo vicioso só quebrado pelo perdão ou, no mínimo, quando você deixar de alimentar raiva, rancor, ressentimento pela pessoa…

O perdão é um sentimento que confere uma qualidade positiva à nossa energia, sadia e protetora, que dinamiza a evolução consciencial humana e livra da prisão grupocármica. Perdão: desvencilhamento cármico.

Ódio, mágoa, vingança e ressentimento são prisões grupocármicas. Quando você gera desordem, desequilíbrio em seu padrão psicoemocional e energético (aura) diante de algo negativo que alguém fez para você, estará entrando em ressonância ou sintonia com ela.

 

Ciclo vicioso

Em outras palavras, o que eu já expliquei aqui: o ódio desta pessoa que te fez mal continua atuando em você energeticamente e seu ressentimento contra ela abre uma porta de sintonia, emitindo energias negativas que reforçam o seu ódio, que vai e volta indefinidamente num processo de sinergia negativa.

O acoplamento espiritual pode ser chamado de acoplamento consciencial, acoplamento áurico, acoplamento bioenergético, rapport bioenergético, interação áurica ou assimilação simpática.

 

Acoplamento áurico

Consiste na interfusão de duas ou mais auras que se misturam, trocando energias. Cada integrante ou participante desta fusão pode ler, sentir ou perceber as energias resultantes.

Podemos criar estes acoplamentos consciente ou inconscientemente, como o fazemos em todas as horas e locais diferentes aonde vamos.

Em todo relacionamento há trocas de energia e acoplamentos em diferentes graus de intensidade. Até num rápido bate papo com um estranho há trocas energia, seguindo a regra: quem tem mais doa para quem tem menos, analogamente aos vasos comunicantes que ligam dois recipientes com líquido.

Continuando a linha de raciocínio, o semelhante se atrai, ou seja, energias do mesmo tipo ou mesmo padrão tendem a se agregar. Consciências negativas atraem espíritos negativos, que estimulam ódio, revolta, ignorância e maus sentimentos. Neste caso, os espíritos mentores nada ou pouco podem fazer, pois não conseguem obter ressonância positiva com a pessoa que desejam proteger.

Ela não se permite receber ajuda. Não basta pedir, é preciso saber receber ajuda espiritual, pois nestas situações, mesmo os guias espirituais querendo ajudar não conseguem. Eles podem se afastar temporariamente até que o estado mental da pessoa melhore. Se esta pessoa guarda um grande ódio ou mágoa para o resto da vida, a assistência espiritual a ela estará prejudicada.

Se a pessoa possui seu padrão psicoemocional e energético desequilibrados, os assediadores ou obsessores “acoplam” em sua aura, desvitalizando a pessoa e deixando-a com a aura ainda mais desordenada.

Se a pessoa possui pensamentos, sentimentos e energia positiva, os amparadores acoplam em sua aura doando energias e liberando mais ideias positivas para ela.

As consciências que possuem pensamentos bons (de amor, paz e luz) são rodeadas por espíritos que inspiram boas ideias. Eles orientam, protegem e indicam sempre o caminho do bem. As pessoas que procuram viver em equilíbrio, desenvolvendo o autoconhecimento e a reforma íntima, são peças interdimensionais importantes.

Suas energias são utilizadas pelos amparadores para fazer assistência espiritual extrafísica. As pessoas que não vivem em um clima interno sadio e equilibrado, constantemente são vítimas dos assediadores, que as levam para “passear fora do corpo a locais promíscuos, para terem suas energias vampirizadas, de forma que quando acordam estão cansadas e mal dispostas.

 

Equilíbrio de energias

As energias ou bioenergias são constantemente trocadas por duas ou mais pessoas, que interagem consciente ou inconscientemente. Elas são trocadas por duas pessoas conversando, pelo professor dando aula a seus alunos, pelo casal de namorados, em um grupo de colegas, um par de amigos, pela mãe com seu filho e por inimigos que se odeiam, mesmo à distância.

Entre cada membro do grupo há um acoplamento positivo (sadio) ou não, com troca de energias. É simples de se entender. Quem tem mais doa, quem tem menos recebe. É o princípio dos vasos comunicantes. Imagine duas caixas d’água ligadas por um cano, e neste um registro.

A caixa cheia é o amigo cheio de energia, a caixa vazia é outro com menos energia (ninguém é totalmente vazio) e o registro se abrindo é o momento do encontro. Após algum tempo os níveis da água (das energias) entram em equilíbrio.

De alguma forma, com intensidade e qualidade variáveis, estas trocas de energia acontecem em todos os encontros. Lembre-se: para haver um acoplamento áurico não é necessário estar próximo fisicamente. A distância não existe para a energia, basta um pensamento potencializado por um sentimento ou emoção.

Se emano pensamento de amor no meu dia a dia, em casa, contribui com a paz no mundo. Se emano pensamentos de raiva, inveja, vingança, revolta, mágoa, frustração e depressão, estas irão reforçar estes sentimentos em outras pessoas mundo afora. Se emano pensamentos positivos, isto é, com base em sentimentos sadios, equilibrados, além de produzi-los e ajudar outras pessoas, recebo esta mesma qualidade de energia em mim, revigorando-me todo dia a todo instante.

É uma sinergia positiva: eu motivo a outros e outros me motivam inconscientemente. Caso contrário, será uma sinergia negativa, ou seja, meu ódio aumenta o ódio de outros e o dos outros amplifica o meu, formando um ciclo vicioso.

A primeira coisa que um bom espiritualista deve fazer é uma reforma íntima e silenciosa.

O karma é uma lei que não é considerada pela física humana. As leis só se transformam em leis da física quando esta as estuda e posteriormente as entende. Independentemente disso, o karma é uma lei que administra a nossa vida todos os dias.

Um dia a Ciência terá desvendado estes processos – quando tiver amadurecido, consciente e preparada, sem medo de estudar algo relativo, que é novo e estranho como ciência.

Quando o preconceito e a ignorância religiosa permitirem ao homem pensar com lucidez, nós descobriremos a verdade e a verdade nos libertará. São leis cósmicas, e entendendo-as melhor poderemos agir melhor, criando uma sociedade mais humanitária e feliz.

Quantas pessoas sofrem! Quantas crises íntimas acontecem pelo mundo. Pessoas muitas vezes cercadas de pessoas, mas totalmente sós. A falta de amor, carinho e compreensão são os responsáveis pelas infelicidades de modo geral. Isto é a falta de espiritualidade.

Nunca se resolverão as crises nos países, as guerras ou a fome sem amor na consciência e no coração. Não adianta encher o mundo de hospitais, creches, ONGs, entidades beneficentes e fundações sem uma mudança radical nos sentimentos e consciência do espírito humano.

“A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória.”

 

Fonte: Texto retirado do livro O KARMA E SUAS LEIS.

O amor em vidas passadas, a reencarnação e as almas gêmeas


Pensando e refletindo sobre o texto abaixo, acrescento, muitas “paixões” instantâneas se dão pelas dividas cármicas, recuperar e curar situações não resolvidas, se tornam possíveis através dessa atração. A confusão acontece e quando não vivido alimenta a esperança que seria seu amor perfeito.

Muitas uniões acontecem para a reparação, algum momento houve amor, trouxe filhos e aprendizado que após realizado o desfecho muitos casais se separam.  A paixão pode estar não só relacionada pelas dividas cármicas como também pelos padrões de vida comportamentais, que unidos se tornam possível o resgate.

Mas, quando acontece apenas pelo padrão familiar negativo, causa dor e sofrimento. A carência é alimentada pela esperança que o outro a preencha, fixados numa ilusão de afinidades reconstroem suas dores internas e aprofundam-se na escuridão da alma, criando situações para justificarem o seu estado, se magoam e magoam e assim num círculo vicioso de atrações dolorosas, vazias e muitas não correspondidas.  

 

Refletir sobre o assunto é curador, complexo e libertador.

 

Selma Flávio – Terapeuta Sistêmica e Vibracional

 


Esta teoria nasceu na Grécia antiga, muito antes do surgimento da doutrina espírita, e defende, dentre outras coisas, que um amor não se constrói com base em simples semelhanças de personalidades e interesses, mas que é resultante de um processo lento e contínuo, ao longo de inúmeras existências nas quais duas almas gêmeas conviveram bastante.

Nestas vivências conjuntas, as pessoas foram passando por várias circunstâncias e dificuldades, enfrentando desafios e superando adversidades, e, desta forma, se unindo cada vez mais.

O amor de vidas passadas é constituído por laços afetivos extremamente fortes, um sentimento verdadeiro e caracterizado por uma identificação ímpar com a outra pessoa, que vai além do mundo físico.

 

Nada acontece por acaso e um grande amor de vidas passadas sempre aparecerá no momento mais oportuno

É fato que a maioria das pessoas passa boa parte de suas vidas procurando por suas respectivas almas gêmeas e idealizando um relacionamento feliz e duradouro. Esta busca advém justamente do fato de terem vivido um grande amor de vidas passadas e desejarem reviver esta relação na atual encarnação.

Mas não é possível garantir se este intento será realizado na vida atual ou em futuras. Na verdade, a maior parte das pessoas vivencia várias encarnações buscando por suas almas gêmeas, e tudo tem sua hora certa e seu momento mais oportuno para acontecer.

Mas aí fica a pergunta: Como descobrir e reconhecer se alguém que gostamos muito na atual encarnação é um amor de vidas passadas?

A resposta é, ao mesmo tempo, simples e complexa. Para exemplificar: quando se ama alguém de forma verdadeira em um curto espaço de tempo, de modo que fica difícil compreender ou explicar o sentimento inesperado, é um forte indício de que você e esta pessoa já viveram uma história de amor em vidas passadas.

E este é o verdadeiro amor, aquele que está no âmago de nossa alma e que não poderia ser desperto em apenas uma vida, mas cultivado gradualmente em várias.

 

Fonte AstroCentro


 

O encontro de Almas Gémeas

O encontro de Almas Gémeas

Amores que vieram de outras vidas

00030

 

“Quando os nossos olhos se cruzaram, eu senti que já o conhecia, apesar de nunca o ter visto antes. Era como se nos conhecêssemos desde há muito tempo, desde uma outra vida…” São muitos os relatos de pessoas que, ao viverem uma história de amor, sentem que aquela pessoa já as amou antes, num outro tempo, num outro local. Embora todas as histórias de amor tenham o seu quê de romance e seja fácil cair num devaneio literário, os especialistas em estudos Kármicos acreditam que é possível reencontrarmos na nossa vida presente amores que começaram séculos antes, noutras vidas.

“Por Alma Gémea” entende-se “a nossa outra metade”. Esta designação remonta a Platão, o filósofo que postulou a hipótese de, num tempo original, sermos todos como esferas, com quatro braços, quatro pernas, dois rostos, dois troncos… e uma só alma. Ao acharem-se superiores por serem um todo tão harmonioso, os homens desafiaram os deuses, que prontamente os castigaram, dividindo-os ao meio. E reza a lenda que, desde então, todos nós vivemos à procura da pessoa que, no início dos tempos, era a outra metade de nós.

A mesma teoria é desenvolvida pela Cabala, defendendo que, quando a nossa alma foi criada, foi igualmente concebida outra alma, a nossa gémea, que nos polariza, assim equilibrando o universo cósmico. De uma só alma inicialmente criada originam-se dois corpos distintos, que chegam à Terra em tempos e locais diversos, consoante o seu estádio de evolução – porque a viagem de todas as almas visa a evolução espiritual, e porque os relacionamentos amorosos são uma parte fundamental desta evolução, proporcionando-nos algumas das lições mais importantes que temos de aprender.

Como reconhecer a minha Alma Gémea?

As borboletas no estômago, a emoção no peito, o rubor nas faces, a alegria inexplicável… são sintomas que todas as pessoas que já estiveram apaixonadas reconhecem facilmente. No entanto, o encontro com uma alma gémea é algo muito mais forte e muito mais intenso do que qualquer outro amor ou paixão vivida. Acima de tudo, o que caracteriza o encontro com uma alma gémea é a sua intensidade e, principalmente, a sua certeza. Quando encontramos a nossa alma gémea, sabemos. Não conseguimos explicar porquê, nem encontrar uma justificação lógica, mas sabemos que aquela pessoa faz parte de nós, que estamos intrinsecamente ligados a ela, e que a nossa vida nunca mais será a mesma depois de a encontrarmos.

Desengane-se quem pensa que o encontro com a Alma Gémea conduz a um “e viveram felizes para sempre”. Na verdade, isso raramente acontece. Precisamente porque a Alma Gémea é aquela com quem temos mais a aprender, o encontro e relacionamento com ela apresenta-nos, muitas vezes, os maiores desafios que a nossa vida amorosa alguma vez nos apresentou.

É muito frequente que a nossa Alma Gémea encarne um tipo físico completamente antagónico àquele pelo qual somos geralmente atraídos, assumindo muitas das características psicológicas que se opõem a nós ou ao que sempre defendemos – porque a lição que a alma gémea nos traz para aprender é, justamente, a do amor puro e verdadeiro. Quando encontramos a nossa alma gémea, não conseguimos deixar de amar aquela pessoa, mesmo que ela vá contra muito do que nós sempre defendemos e desejámos para nós. Desse modo, a nossa essência aprende a amar, simplesmente, a outra alma, independentemente do invólucro físico onde esta encarnou e dos meios com que vive. Uma das principais características num encontro de almas gémeas é a facilidade de aceitação do outro. Os defeitos do outro deixam de ter importância, porque os aceitamos como parte dele e os amamos também, naturalmente, sem esforço.

As relações com a Alma Gémea apresentam, geralmente, um desafio a superar. É bastante comum que se encontrem em momentos chave das suas vidas, e que o seu encontro esteja associado a uma estranha coincidência. O episódio digno de um filme – “por qualquer razão inexplicável, acabei por estar naquele sítio àquela hora” – é uma das características que permite identificar um relacionamento com uma alma gémea, o qual surge quase sempre associado a uma aparente “ironia do Destino”. É muito comum, também, que ao conhecerem-se e conversarem sobre os passados de um e outro, se encontrem estranhas coincidências em datas e lugares. Em vários pontos distintos da vida podem ter vivido nos mesmos lugares, sem antes se terem cruzado, ou até terem vivido lado a lado. Pode haver, também, uma estranha sintonia nas datas de aniversário de familiares ou de acontecimentos importantes nas suas vidas.

O encontro com a Alma Gémea traz consigo o maior desafio amoroso que podemos viver, e por essa razão é frequente que, quando ele acontece, uma ou ambas as almas estejam envolvidas noutros relacionamentos. Muitas vezes a família é, também, uma oposição a este enlace. E é precisamente nas vicissitudes que tem para vencer que este amor mostra a sua força. Quando não há entrave que seja maior que o amor que une dois seres nem obstáculo que os possa separar, quando esta força é sentida, como um íman, por ambas as partes, estamos provavelmente perante essa outra metade de nós.

Encontrar a Alma Gémea é como chegar a casa. É encontrar alguém com quem nos sentimos inexplicavelmente seguros, bem, completos. E sem sombra de dúvida.

Quando duas Almas Gémeas se encontram, é frequente que estejam em pontos diferentes do seu processo de evolução. Uma delas pode ainda não estar preparada para viver esse amor intenso e absoluto, havendo um adiamento da consumação do mesmo. Esta separação temporária não é dolorosa, pois existe da parte da outra alma, mais evoluída, a firme certeza que “vamos ficar juntos”.

Outro dos traços que caracteriza o encontro de Almas Gémeas é a impossibilidade da separação. Estar afastado dessa pessoa dói, mais do que qualquer outra dor antes experimentada. Um ponto essencial a ter em conta é que entre Almas Gémeas tudo é sentido por ambas as partes. Muitas pessoas confundem uma obsessão amorosa com o encontro da Alma Gémea, na ânsia de que este aconteça. No entanto, quando apenas uma das pessoas sente esta intensidade, não podemos afirmar que se trate de Almas Gémeas. Embora muitas vezes um dos parceiros não ganhe consciência imediata da transcendentalidade desta relação, num encontro de Almas Gémeas ambos sentem a impossibilidade de se afastarem. Mesmo sem querer assumir aquilo que sentem, a verdade é que de forma inexplicável são irremediavelmente atraídos um para o outro.

Um dos aspetos que mais veementemente caracteriza o encontro com uma Alma Gémea é que nada voltará a ser como antes. Este encontro marca a vida de ambos de uma forma absoluta e irreversível, havendo um ponto de viragem na vida de ambos.

Por representarem um desafio e por todas as circunstâncias dramáticas que geralmente caracterizam este encontro, é frequente que haja conflitos entre Almas Gémeas. No entanto, quando se trata de Almas Gémeas, fazer as pazes é sempre mais  importante do que o conflito, e não há zanga que se sobreponha à necessidade de estarem juntas.

O encontro de Almas Gémeas acontece, geralmente, por uma estranha coincidência ou sincronicidade de acontecimentos, e apesar de não se conhecerem antes a familiaridade entre ambos é assombrosa. É como se não houvesse nada a esconder àquela pessoa, a sensação de conforto sobrepõe-se a tudo o resto, havendo um imediato sentimento de paz e bem-estar, de pertença.

Nem todas as pessoas encontram a sua alma gémea. Muitas vezes as almas têm de viver várias encarnações e evoluir espiritualmente até que possam chegar a esse encontro. Ao longo das nossas vidas vamos vivendo relacionamentos com outras pessoas, com quem criamos ligações kármicas. Quando vivemos um relacionamento com uma alma em vidas repetidas desenvolvemos com ela uma relação de companheiros de alma.

Companheiros de Alma e Almas Irmãs

Os nossos Companheiros de Alma são pessoas com almas muito semelhantes à nossa, que nos compreendem e aceitam, que têm o propósito de nos facilitar a nossa caminhada. Ao contrário da Alma Gémea, os Companheiros de Alma raramente nos apresentam desafios, surgindo muitas vezes num momento importante, em que vêm ajudar-nos a superar os desafios que se nos apresentam. Muitas vezes os Companheiros de Alma reencarnam na figura de nossos pais, mães, irmãos ou amigos próximos, outras vezes acabamos por ter um relacionamento amoroso com eles. Quando não existe qualquer atração sexual com essa pessoa dizemos tratarem-se de Almas Irmãs. Em qualquer das situações, são pessoas com quem sentimos uma maravilhosa afinidade, tratando-se de alguém que nos compreende sem precisarmos de nos justificar e que nos ajuda sempre nas demandas da nossa vida. Os Companheiros de Alma e as Almas Irmãs ajudam-nos a alcançar a maturidade emocional, permitindo-nos aprender a amar com segurança.

E se eu não encontrar a minha Alma Gémea?

O encontro de Almas Gémeas é algo incomparavelmente intenso e poderoso, e por essa razão só acontece quando ambas estão preparadas para ele. Mesmo que, nesta vida, não encontre a sua Alma Gémea, procure encontrar a alma certa para si – aquela que é a sua companheira para o momento da sua evolução espiritual que está a viver, a que vai ajudá-la a chegar ao próximo nível.

 

Terei encontrado a minha alma gémea?

Se na sua relação encontrar todos, ou quase todos, os sinais a seguir descritos, parabéns! Encontrou a sua Alma Gémea!

1 – O vosso primeiro encontro está ligado a um acaso estranho, uma misteriosa coincidência. Também pode suceder que já estivessem para se ter encontrado antes, mas por qualquer estranha razão houve um adiamento desse encontro.

2 – Existe uma inexplicável sincronicidade de datas e lugares nas vossas vidas. Geralmente as Almas Gémeas vêem de partes distintas e não crescem juntas, para que possam trazer bagagens diferentes e aprender uma com a outra, mas há, ao longo das suas vida, misteriosas coincidências, como terem estado no mesmo dia no mesmo aeroporto noutra parte do Mundo, por exemplo.

3 – Quando encontrou esta pessoa sentiu-se imediatamente atraída para ela, sentindo, na sua presença, uma inexplicável sensação de paz e conforto. O encontro com a Alma Gémea caracteriza-se por uma certeza inexplicável. Quando a encontra, você sabe, no mais íntimo do seu ser, que a encontrou.

4 – Conhecem-se e compreendem-se um ao outro sem serem necessárias palavras, e foi assim desde o início da relação. Uma das características das Almas Gémeas é que são como livros abertos uma para a outra. Acontece, muitas vezes, um concluir as frases do outro, ou adivinhar espontaneamente aquilo que o outro está a pensar. Uma Alma Gémea sabe, instintivamente, aquilo de que a outra precisa. Sabe abraçar o outro no momento em que ele precisa, sem que este tenha de lho pedir.

5 – A outra pessoa encarna muitas características que você nunca imaginou que um parceiro seu pudesse ter, e vice-versa. Ainda assim, aceitam-se um ao outro e amam até mesmo os defeitos do outro. Dá por si a pensar em coisas como “nunca me imaginei a amar um homem assim!” ou “nunca aceitei isto (por exemplo, ser desarrumado, não ser pontual, etc. ) noutros companheiros, mas com ele parece tudo natural!”.

6 – A química entre ambos é algo que nunca sentiu antes, transcendendo quase o plano físico. Para além do ato de fazer amor, o simples gesto de tocar a mão da sua Alma Gémea provoca uma poderosa descarga elétrica em ambos, pondo todas as suas terminações nervosas em turbilhão. Esta sensação, que é frequente nos primeiros tempos de paixão, nunca desaparece nem mesmo com a passagem dos anos quando se trata de Almas Gémeas.

7 – Sente-se inexplicavelmente bem com aquela pessoa, desde o primeiro momento. As Almas Gémeas despem-se completamente quando estão juntas, deixando de sentir a necessidade de se protegerem que caracteriza o início de outros relacionamentos. O medo de ficar vulnerável, exposto, deixa pura e simplesmente de existir.

8 – O vosso relacionamento representa um desafio. Sentem, muitas vezes, que são “vocês os dois contra o mundo”. É frequente que um, ou ambos os parceiros, estejam envolvidos noutros relacionamentos aquando do encontro. A família apresenta, muita vezes, um entrave à relação. É também frequente que os amigos recebam esta relação com estranheza, dizendo coisas como “Estás mudada!”, “Não és a mesma pessoa desde que estás com ele!” (Atenção, não confunda um relacionamento tóxico ou perigoso, também muitas vezes contrariado pelos amigos e família, com o encontro com a Alma Gémea. Neste último caso, mudamos para melhor e, acima de tudo, sentimo-nos sempre seguros, protegidos, bem.)

9 – A sua Alma Gémea representa um desafio para si. Por ser a pessoa que tem para nos ensinar as lições mais importantes, é alguém que no início nos pode irritar, fazer sair da nossa zona de conforto, confrontar-nos com a verdade da nossa alma que escondemos até de nós próprios. O seu propósito é, sempre, fazer-nos crescer, evoluir, aprender a amar.

10 – Têm a mesma opinião sobre os princípios básicos da vida. Por mais diferentes que sejam, estão de acordo no que diz respeito a princípios, possuem os mesmo valores e vêem o mundo da mesma forma.

11 – Sabe que não vai perdê-lo. Muitas vezes há separações entre Almas Gémeas, mas o Destino parece misteriosamente fazer sempre com que se voltem a reencontrar e a reunir. Quando duas Almas Gémeas se encontram, elas sabem que não podem ser separadas, independentemente daquilo que aconteça. Por isso, sentem uma profunda sensação de pertença e não sentem medo de perder o outro, porque no mais íntimo do seu ser sabem que sempre foram, são e serão, apenas um só.

fonte mariamadalena

 

 

As almas que se amam se encontram em outra vida?

Na espiritualidade o sentimento é claro, de uma força e suavidade que mostram o que existe entre os espíritos que o sentem. Tanto mais fácil perceber este elo afetivo, quanto mais desenvolvido moral e espiritualmente é o espírito. Já durante a encarnação, há uma limitação imposta pelo esquecimento do passado, uma vantagem que Deus nos proporcionou para que o livre-arbítrio fosse pleno em nós. Quando encarnamos esquecemos do passado, e deixamos adormecidas lembranças e sentimentos. Se duas almas que se amam se encontram, talvez não venham a perceber imediatamente a importância real de uma na vida da outra, mas sentirão empatia, simpatia ímpar e profunda, o que as faz pender para a pessoa que acabaram de conhecer na nova encarnação. O reconhecimento de um amor de milênios pode ser forte e imediato, mas em geral, para nos facilitar a vida, surge doce e suave, lenta e profundamente.

O fato de duas almas terem aprendido a amar-se e que se procuram para continuar juntas sua jornada – encontrarem-se na encarnação, não significa necessariamente que devam ficar juntas, enquanto a experiência terrena estiver em andamento. Há reencontros que acontecem para que formem família, exemplifiquem o sentimento, evoluindo e dando, uma à outra, força nas provas, expiações e missões que vieram cumprir. É bem comum também que afetos verdadeiros não se encontrem, que estejam, cada um, vivendo experiências com outras almas, de modo a ampliar os laços do amor fraternal. Neste caso, costumam aliviar a saudade através de visitas em espírito (sonhos).

Há ainda outra possibilidade, em geral prova bem difícil por exigir o mais amplo sentimento de resignação, coragem e amor ao próximo: duas almas encontrarem-se, reconhecerem-se, amarem-se e não poderem ficar juntas porque já estão comprometidas com outras pessoas e famílias.

E porque Deus faria isso?

 Deus não fez. As próprias almas pediram esta prova como exercício expiatório e prova de resistência de suas más tendências, em geral, o egoísmo.
Imaginemos…

Duas almas aprendem a se amar; almas gêmeas que se tornam, escolhem experiências que irão fazê-las evoluir. Espíritos ainda em progresso, possuem defeitos morais que estão trabalhando nas existências. Nascem juntas, separadas, na mesma família, em outras, entre amigos ou inimigos. Entre tantas vidas, numa optam por temporariamente (o que são os anos de uma encarnação perante a imortalidade?) por encarnarem separadas. Casam-se com outras pessoas, formam famílias. Mas um dia encontram-se. Reconhecem-se. O amor ressurge. Seus compromissos espirituais são logo esquecidos, desejam-se. Eles deveriam resistir à tentação de trair, de abandonar os companheiros, os filhos, os compromissos, construindo falsa felicidade sobre lágrimas alheias. No entanto cedem. Traem, abandonam, fogem… não importa. Querem ser felizes e isso lhes basta. É o egoísmo e a falta de fé no futuro, que lhes dirige a ação.

Mas não há real felicidade senão a conquistada no direito e na justiça. Se vencerem a tentação de fazer o que citamos, terão no futuro o mérito de estar uma com a outra. Se se deixam arrastar pelas paixões, estarão fadadas a novos afastamentos, lições dolorosas.
Escolhem esta experiência porque a visão que têm na espiritualidade é diferente da limitada visão da encarnação. Melhor abrir temporariamente mão da presença amada, já que o afeto não se esvai na ausência, do que abrir mão de estarem juntos em várias vidas e seus intervalos. Sendo o egoísmo o único motivador (e não o amor) da escolha de ficarem juntos a qualquer preço, constrói-se sólido castelo sobre a areia das ilusões. Fatalmente ele desmoronará, e será preciso reconstruí-lo.

Vania Loir@ Vasconcelos